Geral

Funcionários de transporte coletivo com futuro incerto

Presidente da ACTU não descarta suspensões de contratos e até demissões.

Divulgação

O governador Carlos Moisés decretou novas medidas restritivas para promover o isolamento social em sete regiões que estão classificadas em situação gravíssima, de acordo com a matriz de risco regionalizada, por conta da pandemia de Covid-19. Na Região Carbonífera (Amrec), o transporte coletivo urbano municipal e intermunicipal de passageiros está suspenso por 14 dias a partir de hoje. O retorno está previsto para o dia 3 de agosto.

Porém, o presidente da Associação Criciumense de Transporte Urbano (ACTU), Everton Trento afirma não acreditar que ao fim dessas próximas duas semanas o governador irá liberar o transporte dos ônibus novamente. “Eu não acredito nesse governador. No começo do ano ele falou que ia paralisar por 15 dias, depois paralisou por 30, 60 e assim por diante. Como se a culpa da proliferação do vírus fosse da circulação de ônibus”, declara Trento.

Segundo ele, não está descartada a hipótese de novas suspensões de contrato e até mesmo de demissões de funcionários. “Essa decisão nos pegou de surpresa. Eu não sei como vai ser o futuro das empresas de ônibus. Estamos totalmente inseguros. Como fica a situação do funcionário que retornou e vai ter que parar de novo? Sinceramente, eu não sei”, afirma Trento.

O presidente da ACTU conta que o fluxo de passageiros por dia era de 50 mil antes da pandemia. Com a retomada das atividades, esse número começou com quatro mil e atualmente estava em 7 mil pessoas por dia. “Essa quantidade de passageiros por dia, distribuída pelo número de ônibus, ainda é uma quantidade muito pequena. Com essa parada novamente, o futuro é incerto. Nós não sabemos o que vamos fazer.

Concentração em espaços públicos

A concentração e permanência de pessoas em espaços públicos de uso coletivo, como parques, praças e praias também estão suspensas. A região de Criciúma está classificada como de risco altíssimo. “Como havíamos falado desde o início dos trabalhos de enfrentamento desta pandemia, a primeira quinzena de julho seria uma das mais difíceis de enfrentarmos. Isso de fato está acontecendo”, afirmou o governador.

No mesmo decreto, o governador Carlos Moisés também alterou para 7 de setembro, valendo para todo o território catarinense, a suspensão de aulas presenciais nas unidades das redes pública de ensino, municipal, estadual e federal, além da rede privada, relacionadas à educação infantil, ensino fundamental, nível médio, educação de jovens e adultos e ensino técnico em Santa Catarina.

Impacto na Amrec

Hoje, prefeitos da Associação do Município da Região Carbonífera terão uma conversa sobre o impacto do decreto na região. De acordo com o presidente da Amrec e prefeito de Cocal do Sul, Ademir Magagnin, o decreto será acatado por todos os prefeitos e cada município fará as respectivas alterações nos decretos atuais para se adequar à determinação estadual. “A princípio, o decreto do governador atinge mais a questão dos ônibus municipais e intermunicipais. Já os demais pontos que ele coloca, basicamente já se tinha aplicado nos municípios, como o controle sobre os parques, enfim. A tendência é fazer uma reunião virtual e tomarmos as decisões. Nós vamos conversar e ver a reação de cada prefeito”, diz Magagnin.

Ele comenta que o governador deveria atuar mais junto aos hospitais e que fosse mais ágil na abertura de novos leitos. “É claro que houve uma incidência grande de contaminação aqui no Sul, mas os nossos hospitais precisariam de mais leitos e acredito que se tivessem mais leitos e trabalho forte de conscientização, haveria uma tendência de estabilização”, diz Magagnin.

Segundo ele, o governador não dialoga com os prefeitos. Magagnin também ressaltou que existem 18 pacientes internados que são de fora da Amrec. “Por isso que nossos hospitais estão lotados. Além disso, o governador às vezes sai de cena e abandona. Outra hora, toma as medidas sem qualquer diálogo. Nós estamos tentando de todas as formas fazer que se abra mais leitos de UTI”, destaca Magagnin.

Com informações do site TNSul

Notícias Relacionadas

Todos os serviços do Hospital Regional de Araranguá estão paralisados

Funcionários não tiveram confirmação se serão recontratados por nova administradora, por isso ocupam o local e interrompem os serviços.

Funcionários de hospital de Nova Veneza entram em greve por pagamento de salários

Segundo sindicato, apenas atendimento de emergência é realizado. Hospital deve R$ 70 mil da folha de pagamento de junho, conforme entidade.

Empresa deverá indenizar passageira vítima de ato obsceno em transporte coletivo

Uma concessionária do transporte coletivo deverá indenizar uma passageira em R$ 10 mil, a título de danos morais, por atos obscenos presenciados em um ônibus da empresa no município de Arroio do Silva.

Coronavírus em SC: Governo do Estado autoriza retomada do transporte coletivo interestadual de passageiros

A determinação está prevista no decreto 630 do Governo do Estado, de 1 de junho.