Reflexão

Fundo Nacional de Solidariedade beneficia projeto da Pastoral Carcerária de Criciúma

O recurso de 20 mil reais possibilitará a concretização do projeto que, em resumo, propõe a produção de sandálias tipo havaianas, por parte dos reeducandos da Penitenciária Sul de Criciúma.

Foto: Divulgação

Agentes da Pastoral Carcerária da Diocese de Criciúma receberam uma boa notícia no início desta semana. O projeto social “Novos Caminhos” foi um dos escolhidos pelo Departamento Social da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) dentre as muitas iniciativas que, a partir deste ano, receberão auxílio através do Fundo Nacional de Solidariedade, gesto concreto da Campanha da Fraternidade em todo o Brasil.

Com o tema “Fraternidade e Superação da Violência” e lema “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8), a Campanha da Fraternidade 2018 tem como objetivo geral “construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência”. Sendo assim, a Pastoral Carcerária da Diocese de Criciúma foi contemplada no eixo 3 de classificação do FNS, que contempla projetos produtivos de “superação de vulnerabilidade econômica e geração de renda”.

O recurso de 20 mil reais possibilitará a concretização do projeto que, em resumo, propõe a produção de sandálias tipo havaianas, por parte dos reeducandos da Penitenciária Sul de Criciúma. Para isso, será adquirido maquinário específico para a confecção dos chinelos. Com o trabalho de produção das sandálias, os reeducandos irão remir suas penas e beneficiar seus familiares, que serão cadastrados por assistentes sociais e receberão as sandálias, podendo customizá-las e vender para a produção de renda, auxiliando a família e em sua própria manutenção dentro da unidade prisional.

Sustentado pelos pilares da educação, da qualificação e do trabalho em vista da ressocialização, o projeto também beneficiará entidades filantrópicas da região, com doações de chinelos, além dos próprios reeducandos que utilizarão o único tipo de calçado permitido dentro da instituição. “O projeto Novos Caminhos foi desenvolvido pela Pastoral Carcerária com o objetivo de ressocializar o reeducando, através do trabalho. Entendemos importante o trabalho do reeducando, pois valoriza-o como pessoa e, assim, o qualifica para quando deixar o sistema prisional – um retorno saudável à sociedade, que é um fator relevante para diminuição da reincidência”, pontua o responsável pela execução do projeto, o advogado e agente da Pastoral Carcerária, Dr. Heron Bristot Bernardo.

Antes do trabalho, haverá sempre palestras motivacionais. O projeto será realizado dentro da Unidade, de segunda à sexta-feira, das 08h às 12h e das 13h às 17h. Inicialmente, o trabalho será realizado por cinco reeducandos, que serão monitorados por chefes de oficina – profissionais contratados pelo Estado. Centenas de pessoas devem ser beneficiadas com o projeto, com período de execução programado para 30 de novembro de 2018 até 30 de julho de 2019.

Iniciativa tem o apoio de Dom Jacinto

A instituição responsável pela captação do recurso é a Diocese de Criciúma, na pessoa do Bispo Diocesano, Dom Jacinto Inacio Flach. “O serviço da Pastoral Carcerária é um trabalho do qual nós nos orgulhamos bastante, pois marcamos presença e vemos que, realmente, é um trabalho bonito. Eu, pessoalmente, vou até as unidades prisionais e vejo, tanto na feminina, como na masculina, que uma boa porcentagem, lá dentro, trabalha. Isso é um trabalho de humanização, porque as pessoas, depois, saindo dali, têm profissão e se sentem valorizadas. É um trabalho que faz a diferença: se nós colaborarmos para que eles realmente possam trabalhar dentro do presídio, eles vão, ali, se humanizar. Eu dou testemunho, pois vou algumas vezes durante o ano e sei que as penitenciárias são bem mais humanizadas do que a gente ouve, em muitos lugares. É investido na pessoa humana, com dignidade e, por isso, nós valorizamos e apoiamos este trabalho que é realizado em vista da ressocialização deles”, destaca Dom Jacinto.

Fundo já auxiliou outro projeto em Criciúma

Recentemente, outro projeto dentro do território diocesano foi beneficiado pelo Fundo Nacional de Solidariedade: a Casa de Assistência ao Egresso Definitivo da Comarca de Criciúma. Por duas vezes, a CNBB, por meio do FNS, destinou recursos para as obras da casa: na primeira vez, para a parte hidráulica da edificação; na segunda, auxiliou na aquisição de móveis.

O que é o Fundo Nacional de Solidariedade?

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), reunida em sua 36ª Assembleia Geral (1998), instituiu o Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) e o Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS), com o objetivo de promover a sustentação da Ação Social da Igreja Católica no Brasil. A Coleta Nacional da Solidariedade acontece todos os anos como gesto concreto Campanha da Fraternidade. A composição do fundo acontece da seguinte forma: 60% do total arrecadado, na diocese, constituem o Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS), gerido pela própria diocese, em vista dos seus projetos sociais. 40% do total arrecadado, em cada diocese, constituem o Fundo Nacional de Solidariedade (FNS), gerido pelo Departamento Social da CNBB, sob a Orientação do Conselho Gestor do FNS.

Colaboração: Comunicação Diocese de Criciúma

Notícias Relacionadas

Casa de Repouso Bom Jesus inaugura oficina recreativa, em Criciúma

Campanha Inverno Jovem Solidário arrecada doações, em Orleans

Interessados podem doar roupas, sapatos, cobertores, alimentos etc. Ação é promovida pelo Setor da Juventude da Paróquia Santa Otília.

Solidariedade: engajamento da população garante realização da cirurgia de Davi

Mercado Solidário ultrapassa expectativas e arrecada mais de 10 toneladas

Com este resultado, as doações arrecadadas ao longo de todas as edições chegam as 37,1 toneladas.