Geral

Gasolina chega a 80% dos postos de SC após fim dos bloqueios, diz sindicato

Estabelecimentos chegaram a ficar sem gasolina durante os protestos de caminhoneiros

Divulgação

Depois de dois dias com filas e falta de gasolina, ao menos 80% dos postos de Santa Catarina já foram abastecidos, segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Santa Catarina (Sindipetro). A expectativa da entidade é que, no máximo, até segunda-feira (13) todos os estabelecimentos recebam os combustíveis.

Entre quarta (8) e quinta-feira (9), centenas de postos de combustíveis ficaram sem gasolina devido aos bloqueios nas refinarias por manifestantes. As principais bases atingidas foram as de Guaramirim, Biguaçu e Itajaí.

O risco de desabastecimento, inclusive, fez com que motoristas corressem aos estabelecimentos, o que gerou filas em todo o Estado.

De acordo com o Sindipetro, apenas 20% dos postos ainda estão sem combustíveis. O motivo para a demora na normalização do atendimento é a demanda de pedidos nas distribuidoras, além da logística de entrega. Apesar disso, a entidade alega que não deve faltar gasolina e que, “até o final de sexta-feira (10), mais tardar na segunda-feira (13), será normalizado 100% do abastecimento”.

Na Grande Florianópolis, segundo o Sindicato de Comércio Varejista de Combustíveis Mineirais de Florianópolis (Sindópolis), 90% dos postos já estão com combustíveis. A previsão é de que até sábado (11) a situação esteja normalizada na região.

Por fim, no Litoral Catarinense, o abastecimento está normal. De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista dos Derivados de Petróleo do Litoral Catarinense e Região (Sincombustíveis), a tendência é de que, aos poucos, o fluxo também se estabilize.

Em Joinville, na manhã desta sexta-feira 95% dos postos já estavam abastecidos, segundo o Sindipetro. A distribuição de gás de cozinha também foi normalizada na cidade, de acordo com o Sinregas-SC (Sindicato dos Revendedores de Gás de Santa Catarina).

Bloqueios em rodovias também foram encerrados

Além das refinarias, manifestantes também bloquearam trechos das rodovias federais e estaduais de Santa Catarina. As interdições começaram no dia 7 de setembro, no feriado da Independência.

Na manhã desta sexta-feira (10), quatro trechos ainda permaneciam com restrições, mas, durante o dia, foram liberados, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

As manifestações, promovidas por caminhoneiros, apoiavam o governo de Jair Bolsonaro (sem partido). O próprio presidente chegou a pedir o fim dos bloqueios e afirmou em um áudio que a ação “atrapalha a economia” e “prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres”.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Recuperação de restaurantes endividados na pandemia em SC pode levar até 5 anos, diz sindicato

A Abrasel citou o aumento nos preços em 2021, como o da carne, que ficou 40% mais cara, o valor da energia elétrica, 25%, e o dos aluguéis, 18%

Preço da gasolina pode cair no final do ano e aquecer turismo em SC, diz sindicato

Segundo especialista, a média de preço para os meses de janeiro e fevereiro pode ser determinada pelo valor que encerrar o ano

Litro da gasolina deve ficar 10 centavos mais caro em SC após novo reajuste, diz sindicato

Segundo o levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, os maiores preços médios do combustível de Santa Catarina estão na Grande Florianópolis

Balneário Rincão ganha rota gastronômica com 26 locais para conhecer

Iniciativa faz parte do Plano Municipal de Turismo e visa transformar a cidade em um destino turístico durante o ano inteiro