Geral

Geoparque Cânions do Sul recebe avaliadores da Unesco

O reconhecimento como Geoparque Mundial da Unesco representa novas oportunidades de divulgação, incentivo à pesquisa científica e novas descobertas

Divulgação

Nos próximos dias, o Geoparque Cânions do Sul passará por um processo decisivo para o desenvolvimento da região. Os municípios receberão a visita de dois profissionais responsáveis por verificar se o território cumpre os requisitos para fazer parte da Rede Mundial de Geoparques da Unesco (Global Geoparks Network). A missão acontece de 12 a 16 de novembro.

Os avaliadores são geólogos com reconhecida experiência na gestão de geoparques, um português e um mexicano. Neste período, eles percorrerão os municípios coletando evidências sobre o trabalho realizado principalmente com foco na conservação do patrimônio geológico e cultural, na educação e no turismo sustentável. A programação inclui visita a geossítios, exposições culturais e mostra de produtos locais, além de reuniões com prefeitos, comitê científico e equipe técnica. Pesquisadores especialistas em diferentes áreas, como Geografia, Geologia, Arqueologia, Paleontologia e Biologia, estarão acompanhando a comitiva para apresentar os principais aspectos do território.

O reconhecimento como Geoparque Mundial da Unesco representa novas oportunidades de divulgação, incentivo à pesquisa científica e novas descobertas, valorização do turismo sustentável e consequente melhoria das condições de vida das comunidades, entre outros benefícios. O relatório produzido pelos avaliadores é fundamental para que o Conselho de Geoparques da UNESCO possa concluir sobre o título. O resultado sobre a chancela será anunciado no próximo ano.

“A expectativa é bastante positiva. Estamos preparados e confiantes. É o momento de consolidar o trabalho que foi realizado até agora, avaliar o que pode ser melhorado e concentrar esforços para seguirmos executando ações consistentes em prol da região. Esta missão é um marco em nossa história. Ela brinda a dedicação de todos que fazem parte da trajetória em busca do reconhecimento como Geoparque Mundial”, declara Carlos Souza, prefeito de Torres e presidente do Consórcio Intermunicipal Caminhos dos Cânions do Sul.

O Geoparque Cânions do Sul é formado por sete municípios, com área total de 2.830 km2 e cerca de 74 mil habitantes. Fazem parte, os municípios de Cambará do Sul, Mampituba e Torres, no Rio Grande do Sul; e Praia Grande, Jacinto Machado, Morro Grande e Timbé do Sul, em Santa Catarina.

Hoje, existem 169 Geoparques no mundo em 44 países. No Brasil, apenas um oficialmente reconhecido: o Geoparque Araripe, no Ceará. A expectativa é de que o território dos Cânions do Sul seja o segundo geoparque brasileiro.

RELEVÂNCIA GEOLÓGICA

A riqueza do patrimônio geológico, da biodiversidade e da cultura motivou a busca pelo título. A região apresenta a maior concentração de cânions do Brasil, com grandes escarpas que atingem até 1157 metros de altura e extensão total de aproximadamente 250 km.

Conforme explica o geólogo do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM) Michel Godoy, a evolução geológica dos Cânions do Sul começou com a fragmentação do supercontinente Gondwana que, após sua separação, originou três continentes, a América do Sul, a África e a Antártida. “Há cerca de 130 milhões de anos, as movimentações das placas tectônicas causaram a separação dessa grande massa continental e despertaram um dos maiores eventos geológicos de todos os tempos, o vulcanismo Serra Geral. A grande região recoberta por esse vulcanismo ficou conhecida como Província Basáltica Continental Paraná-Etendeka que possui registros contínuos de rochas vulcânicas preservadas no Brasil, Paraguai, Argentina, Uruguai na América do Sul e Namíbia na África”, destaca o geólogo.

Este importante capítulo da história da Terra está registrado nos diferentes geossítios do Geoparque, alguns deles de relevância geológica internacional, com grande potencial para promoção do geoturismo e de estudos científicos.

HISTÓRICO

A concepção de um projeto de Geoparque entre os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul começou a ser idealizada em 2007, por iniciativa do prefeito de Praia Grande (SC), na época, Sr. João José de Matos. A proposta envolvia seis municípios da região, sendo três de Santa Catarina e três do Rio Grande do Sul.
Já em 2009, o projeto Geoparque passou a ser liderado pela parceria entre a Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR), de Araranguá (SC) e Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (AMESC). Nessa época, o território do Projeto foi ampliado para 19 municípios.
Entre 2010 e 2011, aconteceram os primeiros estudos para iniciar o inventário dos geossítios pelo Serviço Geológico do Brasil (SBG-CPRM), através da Superintendência de Porto Alegre (RS).
Em 2014, com o amadurecimento do projeto, a área do Geoparque foi reduzida para os atuais sete municípios, como forma de direcionar os esforços para uma área núcleo.
Em abril de 2017, o processo avançou para a criação oficial do Consórcio Público Intermunicipal Caminhos dos Cânions do Sul, órgão responsável pela gestão do projeto, formado pelos sete municípios que compõem o território.
E, em 2019, o Consórcio enviou à Unesco o dossiê oficializando o processo de candidatura.

Notícias Relacionadas

Vereadores de Lauro Müller aprovam Proposições, Requerimentos, Projetos de Lei e Projeto de Resolução

No Grande Expediente, oito vereadores aproveitaram para fazer seus pronunciamentos.

Satc Digital e Coopera firmam parceria para a aplicação do ensino corporativo

De forma gratuita, cinco cursos livres foram lançados nesta segunda-feira e estão disponíveis para a comunidade

Número de casos ativos de Covid-19 despenca em SC e índice é o menor em 17 meses

Dados mostram que o Estado vive um momento menos delicado da pandemia, e caminha para um processo de estabilização

Assistência Social de Criciúma entrega alimentos para instituições sociais no Parque das Nações

Ao todo, foram distribuídos 960 kg de carne, 1.500 kg de banana, 60 cestas básicas e 90 kits de legumes para 30 instituições