Política

Geovania de Sá sugere acompanhamento escolar como condicionalidade na MP do Bolsa Família

 

Foto: Divulgação/Alexssandro Loyola

A deputada federal Geovania de Sá (PSDB-SC) quer ampliar as condicionalidades para a manutenção do Bolsa Família. Para isso, sugeriu ao relator da Medida Provisória (MP) do Bolsa Família, deputado Dr. Francisco Costa (PT-PI), que pais ou responsáveis participem das reuniões nas escolas de seus filhos como condição para continuar a receber o benefício.

Geovania de Sá é membro titular da Comissão Mista da Medida Provisória 1.164/2023, que institui o programa de transferência de renda. A Comissão se reuniu nesta terça-feira, 9, para votar o parecer do relator, mas foi suspensa para análise do relatório. A votação deve ser retomada na tarde desta quarta-feira, 10.

A deputada afirma que seu voto não depende do aceite da condicionalidade, mas garante a importância dela. “Quando temos um programa de transferência de renda, é preciso ter todas as políticas públicas bem amarradas. Isso afetará diretamente na qualidade do ensino da criança, porque nós não queremos que ela dependa, futuramente, de um programa de transferência de renda, mas que tenha sua profissão, sua autonomia e sua independência”, defendeu.

Quer receber as principais notícias da região? Clique aqui e entre no nosso grupo de WhatsApp e fique atualizado de forma rápida e confiável 

A proposta não surgiu agora. Geovania de Sá sugeriu, em 2015, um Projeto de Lei (PL 3.994/2015) de mesmo teor, quando atuou no cargo de Secretária de Assistência Social e Habitação em Criciúma.

Em conversa com o relator da MP, a parlamentar explicou que a condicionante foi proposta a partir do contato com as famílias. “O que detectamos no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) é que a maioria das crianças tinha um rendimento escolar muito baixo, e, na maioria dos casos, os responsáveis não os acompanhavam”, lembrou.

Impacto Regional

Segundo as regras do programa, as famílias devem assumir compromissos nas áreas da educação, saúde e assistência social. Através da proposta, Geovania de Sá quer estreitar os vínculos entre família e escola e garantir que as crianças beneficiadas pelo Bolsa Família não permaneçam no ciclo de dependência de programas de assistência.

“Eu nunca fui contra um programa de transferência de renda. […] O ser humano tem que ter o mínimo de dignidade, o acesso à alimentação, à saúde e sabemos que o Bolsa Família é essencial para isso, mas temos que mostrar um caminho de saída”, afirma a deputada.

“O acompanhamento deve ser feito pelo assistente social na ponta e pelo responsável da área da educação. O sistema hoje adotado, CadÚnico, é integrado. Nós percebemos que há sim demandas. Criciúma, que tem o mercado da cerâmica e o empreendedorismo muito fortes, tem muitas oportunidades de emprego. O que falta é a mão de obra qualificada”, complementa.

A parlamentar vê a qualificação profissional como o meio de oferecer as ferramentas para alcançar a autonomia familiar. “Nós podemos intermediar, com o Governo Federal, o que as universidades e as secretarias podem fornecer de capacitação aos participantes do programa Bolsa Família para serem inseridos no mercado de trabalho”, sugeriu Geovania.

Notícias Relacionadas

Prefeitura de Jacinto Machado entrega cestas básicas aos cadastrados no Bolsa Família

Além dos itens de alimentação, foi incluído na cesta kit de higiene, visando a prevenção ao coronavírus.

Governo divulga calendário de pagamento do Bolsa Família para 2020

Pagamentos começam a ser feitos no próximo dia 20

Caixa paga auxílio emergencial para beneficiários do Bolsa Família

19,2 milhões de pessoas cadastradas receberão o dinheiro até o dia 31

Auditoria aponta que Bolsa Família pode ter sido pago indevidamente a 28,3 mil cadastros em SC

Estima-se que o governo federal tenha transferido R$ 5,1 milhões mensais para esses cadastros, se considerada a média de R$ 180 para cada beneficiado.