Segurança

Grupo milionário que fazia vendas falsas na internet é alvo operação em SC

Nova fase da Operação Repasse cumpriu mandados em Joinville e Araquari

Foto: Divulgação

Um grupo que fazia vendas falsas na internet com lucro milionário foi alvo de uma segunda fase da Operação Repasse. Na primeira, 33 mandados de prisão e 45 de busca e apreensão em diversas cidades de Santa Catarina. Nesta quinta-feira (29), bens como do grupo, como carro e barcos, foram apreendidos em Joinville e Araquari.

A primeira fase da operação foi realizada em outubro de 2023. Durante as investigações, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) descobriu novos bens adquiridos de forma ilícita pelos suspeitos. Entre os materiais apreendidos estão um carro, duas embarcações e uma moto aquática. Os bens serão usados no futuro ressarcimento de vítimas dos supostos crimes.

Relembre a primeira fase da operação

A primeira fase ocorreu em 31 de outubro de 2023, quando foram cumpridos 33 mandados de prisão e 45 de busca e apreensão em Joinville, Jaraguá do Sul, Balneário Camboriú e Blumenau, além das cidades paranaenses de Curitiba e Pontal do Paraná.

De acordo com as investigações, os integrantes movimentaram em torno de R$ 6 milhões em 45 dias.

Entre os bens apreendidos na época estava armas de grande porte, joias, celulares, máquinas de cartão e veículos importados e de luxo.

Como o grupo atuava

De acordo com o Ministério Público, o grupo publicava falsos anúncios de veículos na internet a partir de perfis de empresas fictícias e, a fim de captar clientes, replicavam esses anúncios em grupos de aplicativos. Atraídos pelas ofertas e convencidos pelos criminosos, as vítimas eram induzidas a fazer pagamentos de entrada ou dar um valor como “sinal”.

Após o primeiro pagamento, conforme o MP, um falso documento era enviado ao comprador lesado para convencê-lo a fazer a quitação da compra e, assim, ter o veículo entregue. Das vítimas, era cobrada, ainda, uma taxa referente ao suposto transporte do veículo até o endereço desejado para a entrega.

Os valores transferidos pelas vítimas do golpe eram rapidamente transferidos para outras contas bancárias e sacados em espécie para serem repartidos aos integrantes do grupo criminoso. Ficou comprovado também que a organização utilizava sistema bancário por meio de pessoas utilizadas como laranjas para disfarçar a origem ilícita do dinheiro e sacar as quantias.

Com informações do NSC Total

Notícias Relacionadas

Homens invadem casa, amarram família e agridem morador em Balneário Rincão

Os criminosos levaram dinheiro, celulares, um carro e uma motocicleta.

Concursos em SC: 16 editais encerram inscrições esta semana; salários chegam a R$ 22 mil

Em Orleans, há 18 vagas de níveis alfabetizado, fundamental, médio e superior, e salário de até R$ 9.684,77.

Colisão seguida de capotamento é registrada na SC-108, em Urussanga

A condutora do veículo que capotou, de 20 anos, foi conduzida ao hospital; os outros dois ocupantes dos veículos envolvidos não se feriram.

Chuva deixa comunidade isolada e arrasta carro com pai e filha dentro, em Garopaba

O caso ocorreu quando o condutor da caminhonete tentou atravessar uma pequena ponte sobre o Rio Encantada próximo, próximo à cachoeira.