Geral

Haitiano denuncia xenofobia de funcionários de indústria em SC

De acordo com o imigrante, episódio aconteceu no início do mês, em Joinville; empresa investiga o caso

Divulgação

Um imigrante haitiano de 30 anos procurou a polícia para denunciar funcionários da indústria que trabalha, localizada no distrito de Pirabeiraba, região Norte de Joinville. Makendro Loute diz ter sido vítima de xenofobia durante a saída do trabalho, no dia 6 de outubro. Ele registrou um boletim de ocorrência.

Makendro, que trabalha no turno da noite, conta que saía da empresa, por volta das 5h, e, por causa do frio, vestia a touca da jaqueta. Por norma da empresa, a vigilante que estava na portaria pediu para que ele retirasse a peça da cabeça, mas ele afirma não ter ouvido. Em seguida, seu colega, também haitiano, reforçou o pedido da mulher.

– Quando eu tirei, ela disse “esses haitianos aí” e mais algumas palavras que não consegui entender – relata Makendro, que conta ter ido para casa em seguida.

No dia seguinte, o operador de produção buscou a coordenação da área em que atua para relatar o episódio, também próximo ao horário de deixar a empresa. Na descida das escadas do escritório, colegas o disseram que novamente outro seguranças agiu com preconceito.

– O outro segurança falou para outro que estava do lado “não é a primeira vez que essa raça de haitiano dá problema”. Estou muito triste. Uma pessoa que faz isso não conhece a história do Brasil, se soubesse, não faria isso. É preconceito – desabafa.

Melhores condições de vida

Conforme levantamento realizado pela Polícia Federal, com cerca de 4.500 pessoas, Joinville é a segunda cidade com mais imigrantes de Santa Catarina. A maioria deles são naturais do Haiti e Venezuela e vêm à cidade em busca de melhores condições de vida, trabalho e moradia.

Este foi o caso de Makendro, que mora na zona Leste de Joinville há quatro anos junto de sua esposa. Recentemente, o casal teve um bebê e o haitiano é, atualmente, o único responsável pela renda da casa.

Ele conta que trabalha na empresa há pouco mais de um ano e nunca tinha trocado nenhuma palavra com os seguranças que acusa terem sido preconceituosos por causa de sua nacionalidade.

Além do boletim de ocorrência, Makendro notificou a indústria sobre o ocorrido. Por meio de nota enviada ao g1, a Britânia Prime disse que apura as denúncias de racismo e xenofobia envolvendo o colaborador da fábrica. Além disso, a empresa diz que promove o combate de todas as formas de discrimanção e informou que relatos e imagens de câmeras de segurança foram recolhidos para que medidas sejam tomadas.

O crime de xenofobia é considerado crime de ódio no código penal brasileiro e é caracterizado como praticar, induzir ou incitar discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, como no caso de Makendro. A pena para o crime é de reclusão de um a três anos e multa.

Crime comum

Nasser Barbosa, coordenador do Centro de Direitos Humanos (CDH) de Joinville, afirma que o crime de xenofobia é mais comum do que se imagina. Ele reforça a importância de imigrantes e povos tradicionais denunciarem a prática, que viola os direitos humanos.

– A xenofobia é uma realidade. Muitas vezes não enxergamos porque quem é nativo da cidade ou morador daqui do estado não sofremos esse tipo de coisa – respalda.

Makendro aguarda o posicionamento da empresa sobre o assunto para que situações parecidas não voltem a ocorrer. Sua vontade é que a situação seja resolvida e que possa permanecer empregado.

– Tenho medo pelo meu emprego, ele é muito importante para mim. Pago aluguel e tenho família – destaca.

*Com informações de NSC TV E NSC Total

Notícias Relacionadas

Vereadores de Lauro Müller aprovam Proposições, Requerimentos, Projetos de Lei e Projeto de Resolução

No Grande Expediente, oito vereadores aproveitaram para fazer seus pronunciamentos.

Satc Digital e Coopera firmam parceria para a aplicação do ensino corporativo

De forma gratuita, cinco cursos livres foram lançados nesta segunda-feira e estão disponíveis para a comunidade

Número de casos ativos de Covid-19 despenca em SC e índice é o menor em 17 meses

Dados mostram que o Estado vive um momento menos delicado da pandemia, e caminha para um processo de estabilização

Assistência Social de Criciúma entrega alimentos para instituições sociais no Parque das Nações

Ao todo, foram distribuídos 960 kg de carne, 1.500 kg de banana, 60 cestas básicas e 90 kits de legumes para 30 instituições