Segurança

Homem ameaça matar ex-namorada em Tubarão

Uma mulher de 41 anos foi ameaçada de morte pelo ex-namorado, pois ele não aceitava o fim do relacionamento.

Foto Giroflex PM Dia

Foto: Divulgação

Somente no primeiro semestre deste ano, quase 73 mil denúncias de violência contra a mulher chegaram através do telefone 180, em todo o país. E em Tubarão, essa estatística ganhou mais um número na noite de terça-feira.

Uma mulher de 41 anos foi ameaçada de morte pelo ex-namorado, pois ele não aceitava o fim do relacionamento.

De acordo com a Polícia Militar – PM, o crime chegou ao conhecimento da guarnição, que foi acionada via Central Regional de Emergência. Os agentes então se deslocaram até o endereço, no bairro Humaitá, onde a vítima relatou que estava sendo ameaçada por seu ex. O caso aconteceu por volta das 20h30.

A vítima relatou aos policiais que seu ex-namorado estava lhe ameaçando de morte fazia uma semana. Além disso, ontem, ele afirmou que iria atear fogo na casa onde ela está morando de aluguel. Para a mulher, o acusado teria dito que cometeria o crime, pois não aceitava que eles não estavam mais juntos.

Além disso, segundo a mulher, o homem também não aceitava que ela tivesse alugado um quarto na casa de um idoso de 75 anos, onde está morando atualmente. Se não bastasse a ameaça à mulher, o homem também teria ameaçado o proprietário da residência alugada por ela.

A polícia fez rondas, mas o acusado não foi encontrado. Diante dos fatos, foi realizado um boletim de ocorrência e os envolvidos foram orientados.

Entre as principais agressões denunciadas pelas mulheres através do 180 estão: cárcere privado, violência física, psicológica, obstétrica, sexual, moral, patrimonial, tráfico de pessoas, homicídio e assédio no esporte. As denúncias também podem ser registradas pessoalmente nas delegacias especializadas em crime contra a mulher.

A partir da sanção da Lei Maria da Penha, o Código Penal passou a prever estes tipos de agressão como crimes, que geralmente antecedem agressões fatais. O código também estabelece que os agressores sejam presos em flagrante ou tenham prisão preventiva decretada se ameaçarem a integridade física da mulher. Além de crime, a Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda considera a violência contra a mulher um grave problema de saúde pública.

Com informações do Jornal Diário do Sul

Notícias Relacionadas

Comissão organizadora discute medidas de segurança para a Agromel, em Içara

Idosa é estuprada após assalto, em Timbé do Sul

Corpo é encontrado carbonizado dentro de carro em Criciúma

Combustível exclusivo para a saúde e viaturas policiais chega a Morro da Fumaça

O Governo Municipal reforça que trabalha para garantir a manutenção dos serviços públicos essenciais e emergenciais.