Segurança

Homem é condenado por bater na esposa e esfaquear o filho em Balneário Gaivota

O réu foi condenado à pena de três meses e 15 dias de detenção, em regime inicial aberto. O crime ocorreu no dia 6 de maio de 2016.

Prisão

Foto: Divulgação

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça manteve decisão de primeiro grau que condenou um homem por bater na esposa e esfaquear o próprio filho. O crime ocorreu no município de Balneário Gaivota, na noite de 6 de maio de 2016, por volta das 23h.

De acordo com os autos, depois de agredir verbalmente a esposa, o homem desferiu três socos contra seu rosto – no nariz, na boca e no olho esquerdo. Um dos filhos do casal tentou defender a mãe e recebeu uma facada na barriga – o corte foi superficial.

Em primeira instância, o réu foi condenado à pena de três meses e 15 dias de detenção, em regime inicial aberto, pelo crime previsto no art. 129, § 9º, do Código Penal – ofensa a integridade corporal ou saúde de uma pessoa no âmbito das relações domésticas. Em recurso, o agressor alegou ausência de provas – por não ter sido realizado laudo pericial. Disse que agiu sob efeito de álcool e forte emoção ao descobrir um caso extraconjugal da companheira; quanto à lesão causada em seu filho, afirmou que foi legítima defesa. Por fim, sustentou o princípio da insignificância ou da bagatela.

O relator da apelação criminal, desembargador Luiz Antônio Zanini Fornerolli, explicou que em casos de violência doméstica a prolação de sentença condenatória prescinde de laudo pericial acerca das lesões sofridas. “A materialidade pode ser demonstrada por outros meios, entre eles, a palavra das vítimas e testemunhas, receituários médicos e fotografias”, disse.

Fornerolli lembrou ainda que, de acordo com a Súmula 589 do Supremo Tribunal Federal, o princípio da insignificância é inaplicável nos crimes praticados no âmbito das relações domésticas. “Adotar um posicionamento diverso, no sentido do que tenta a defesa, é passar a entender como normal a adoção de meios violentos em vez do diálogo para a resolução de problemas, o que, obviamente, não foi a intenção do legislador nem é aquilo que se espera de uma sociedade organizada”, concluiu.

Com isso, no dia 24 de janeiro deste ano, a 4ª Câmara Criminal manteve por unanimidade a sentença proferida pelo juiz Evandro Volmar Rizzo, da 2ª Vara da comarca de Sombrio. Participaram do julgamento os desembargadores Alexandre d’Ivanenko, presidente com voto, e José Everaldo Silva.

Colaboração: Fernanda de Maman / Comunicação TJSC

Notícias Relacionadas

DIC de Criciúma apreende 1,5 kg de maconha e munição de calibre restrito

Revólver, munições e droga são encontrados durante blitz realizada pela PMRv de Içara

Polícia Civil cumpre mandados contra suspeitos de latrocínio em Sombrio

Por chineladas em criança de quatro anos, Tribunal de Justiça mantém condenação de padrasto em Criciúma

A criança possuía várias marcas pelo corpo, em regiões das pernas, costas e nádegas.