Segurança

Homem é preso em flagrante em Criciúma por compartilhar vídeos de violência sexual contra crianças

Operação P2j deflagrada pela Polícia Federal apreendeu celulares, mídias de armazenamento e uma arma de fogo em situação irregular na casa do suspeito

Foto: Polícia Federal/Divulgação

A Polícia Federal deflagrou, nesta sexta-feira (29), a operação P2j (Pedo To Jail), que apura crimes de pornografia infantil na cidade de Criciúma, no sul do Estado. A polícia prendeu em flagrante um morador do município que detinha e compartilhava vídeos contendo cenas de violência sexual contra crianças e adolescentes.

A investigação começou quando a Polícia Federal identificou um usuário da internet que compartilhava arquivos com as imagens. O repasse do conteúdo acontecia através de redes de compartilhamento de arquivos denominadas P2P.

Um mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça Federal foi cumprido no endereço do suspeito, que foi preso em flagrante pelo crime de armazenamento de arquivos com pornografia infantil. Celulares e mídias de armazenamento foram apreendidas, além de uma arma de fogo em situação irregular.

O material será submetido à perícia, mas, segundo a PF, em análise preliminar foi identificada uma grande quantidade de material relacionado à pornografia infantil. O criminoso poderá ser punido com prisão em regime fechado pelo período de um a 4 anos.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Condutor é preso após tentar atropelar um policial federal rodoviário na BR-101, em Biguaçu

O homem de 24 anos estava com um com um veículo roubado. A ocorrência foi registrada na manhã do último sábado (13).

Homem fica preso nas ferragens após acidente com dois veículos na SC-108, em Criciúma

A colisão ocorreu entre dois veículos no Bairro São Simão por volta das 15h20 desta quarta-feira (11)

Revólver, munições e droga são encontrados durante blitz realizada pela PMRv de Içara

TRF4 manda afastar do cargo prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, preso na Operação Chabu

Determinação é que fique 30 dias fora das funções e não faça contato com demais suspeitos de envolvimento na operação. PF investiga a violação de sigilo de operações policiais