Geral

Homem preso por crime cometido pelo primo será indenizado em R$ 40 mil pelo Estado

Segundo os autos, o fato aconteceu em maio de 2017, quando o homem foi abordado pela Polícia Rodoviária Federal em São Leopoldo/RS.

Divulgação

O Estado de Santa Catarina foi condenado a indenizar um homem em R$ 40 mil por ele ter ficado preso equivocadamente durante cinco dias. Segundo os autos, o fato aconteceu em maio de 2017, quando o homem foi abordado pela Polícia Rodoviária Federal em São Leopoldo/RS.

Em consulta ao sistema, verificou-se a existência de um mandado de prisão aberto contra o cidadão, que acabou conduzido até a delegacia de polícia do município. Lá permaneceu preso por cinco dias, algemado à cadeira onde estava sentado.

Porém, o real autor do crime a que se referia o mandado era um primo do autor da ação, que teria sido preso e se identificado como ele, sem apresentar nenhum documento.

O verdadeiro réu no processo foi preso em flagrante em maio de 2015, por tentativa de furto qualificado. No momento da prisão e também durante a audiência de instrução e julgamento, em seu interrogatório, o homem continuou a se passar pelo familiar.

Ele foi condenado à pena privativa de liberdade de um ano e quatro meses de reclusão, substituída por duas restritivas de direitos. Intimado para dar início ao cumprimento da pena, não foi encontrado, e a pena restritiva de direitos foi convertida em privativa de liberdade, com a expedição do respectivo mandado de prisão.

Por isso que, em 2017, o autor permaneceu preso por cinco dias até comprovar sua inocência e ter a liberdade restituída. “Cuida-se de pessoa que repentinamente foi tirada de seu cotidiano e inserida em contexto completamente diverso, por motivo que nem sequer foi capaz de compreender de imediato – haja vista que desconhecia a existência tanto da ação penal quanto do processo de execução”, pontua a decisão.

A sentença foi proferida pelo juiz substituto Bruno Santos Vilela, em atuação na 1ª Vara Cível da comarca de Araranguá. O magistrado destacou que houve falha no momento da identificação criminal do agente responsável pelo furto e isso ocasionou uma série de erros que culminaram na prisão do autor. Quanto à responsabilidade civil do Estado, o magistrado destacou que “no exercício do seu dever-poder, o Estado, por meio de seus agentes, deve atuar com o máximo de cautela, sobretudo quando envolver a privação da liberdade de seus cidadãos”.

O autor da ação será indenizado pelo Estado por danos morais, com juros a contar da data da prisão indevida e correção monetária. Cabe recurso da decisão ao TJSC (Autos n. 0300613-28.2019.8.24.0004).

Notícias Relacionadas

Pessoas com 54 e 55 anos serão vacinadas contra Covid-19, em São Ludgero

Durante a vacinação contra Covid-19 as Secretarias de Assistência Social e Saúde estão realizando a campanha “Vacina contra Fome”.

Criança é flagrada dirigindo veículo na Estrada Geral do Rio Novo, em Orleans

A criança foi abordada junto com seu avô, que estava no banco do carona

Mais três unidades de saúde passam por reformas em Morro da Fumaça

São cinco as estruturas que recebem por melhorias nos últimos dois anos

Criciúma vence e assume vice-liderança da Série C

Hygor e Dudu marcaram os gols da vitória do Tigre por 2 a 1 sobre o Ypiranga