Segurança

Homem que matou jovem e assassinou ex para evitar ser descoberto em SC é denunciado pelo MPSC

Crimes ocorreram em um intervalo de um mês em Bom Jardim da Serra. Segundo a investigação, os crimes ocorridos em 2023 estavam conectados.

Foto: Reprodução

O homem investigado por matar duas mulheres em um intervalo de 30 dias em Bom Jardim da Serra, município de 4 mil habitantes na Serra de Santa Catarina, foi denunciado por feminicídios, em dois processos distintos. Segundo a investigação, os crimes ocorridos em 2023 estavam conectados.

Júlia Antonello Paes, de 19 anos, foi estuprada e assassinada pelo suspeito por conta de ciúmes, segundo a Polícia Civil. Já a ex-mulher dele, Maria Aparecida da Rosa, 33, foi morta na frente dos filhos após descobrir sobre o primeiro crime.

O corpo de Júlia, considerada desaparecida desde 18 de agosto de 2023, foi encontrado apenas em janeiro de 2024. Na ocasião, o suspeito confessou à Polícia Civil o primeiro crime. Maria foi encontrada morta em 18 de setembro.

Conforme o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), as investigações indicam que o acusado assassinou a ex-companheira Maria, entre outras motivações, para que ela não contasse às autoridades o que descobriu sobre a morte da jovem.

Crimes conectados

As investigações apontam que o suspeito asfixiou e esfaqueou a ex-companheira Maria na frente dos dois filhos em 18 de setembro.

Ele se apresentou à polícia como culpado pela morte da ex e, depois, foi denunciado pelo MPSC por homicídio com três qualificadoras (feminicídio, asfixia e emprego de recurso que dificultou a defesa).

Na época, Júlia estava desaparecida e não havia nenhuma associação entre os dois casos. O corpo dela só foi encontrado em janeiro, nas margens de um curso d’água na localidade de Rabungo. As evidências acabaram apontando para o mesmo suspeito.

Em 19 de agosto, conforme o órgão, ele teria estrangulado e estuprado a jovem, descartado o corpo e destruído seu celular e suas roupas para eliminar provas.

Nesse processo, o réu é acusado de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e estupro contra vulnerável (a vítima estar inconsciente devido ao estrangulamento). As qualificadoras imputadas são feminicídio, asfixia, emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima e motivação ligada à ocultação de outro crime (o estupro cometido anteriormente).

Com informações do g1 SC

Notícias Relacionadas

Ao celebrar 25 anos, Carbonífera Catarinense reafirma o compromisso com a comunidade

Trajetória da empresa foi marcada por conquistas e investimentos no desenvolvimento, saúde e segurança da equipe e em projetos sociais e ambientais.

Homens contratados por mulher suspeita de encomendar morte do marido em SC cavaram cova durante churrasco, diz polícia

Edinei da Maia foi encontrado morto enterrado, com as mãos amarradas, em Canelinha, quatro meses após desaparecer.

Bezerro é içado após cair em poço de 6 metros de profundidade em Florianópolis

Resgate ocorreu em uma propriedade no bairro Rio Vermelho. Animal foi entregue ao proprietário.

SC tem 1,1 mil aparelhos bloqueados com o Celular Seguro em seis meses

Serviço foi criado pelo Governo Federal e tem como objetivo inibir roubos de smartphones