Segurança

Homens que agrediram e atearam fogo em colega de trabalho em SC são condenados

Crime ocorreu em 2009, e demorou 13 anos para receber um veredito; acusados encaram penas de 14 anos de prisão

Foto: MPSC/Divulgação

Em 2009, três homens foram acusados pelo MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) pela tentativa de homicídio de um colega de trabalho na cidade de Águas Mornas, na Grande Florianópolis. Nesta última terça-feira (28), o Tribunal do Júri da Comarca de Santo Amaro da Imperatriz os condenou com 14 anos de prisão cada, em regime inicial fechado.

A decisão ainda é passível de recurso, e foi tomada após os promotores de justiça Márcio André Zattar Cota e Lanna Gabriela Bruning Simoni sustentarem que o crime foi qualificado por motivo fútil e por ter sido praticado com meio cruel, com uso do fogo, sem possibilidade de defesa.

Entenda o crime

Na época, toda a comunidade do município foi pega de surpresa com o crime. De acordo com a ação penal, na madrugada do dia 24 de novembro de 2009 os três colegas de trabalho foram até um bar localizado na cidade de Santo Amaro da Imperatriz.

No local também estava a vítima, que trabalhava com os acusados pelo crime. Eles beberam e trocaram farpas, visto que, de acordo com o que foi ajuizado pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Santo Amaro, os homens tinham ciúmes do relacionamento entre a vítima e seus patrões.

Já no fim da noite, a vítima saiu do local para ir para casa. Os homens seguiram o veículo até a altura do trevo que dá acesso ao centro de Águas Mornas. Ali, eles interceptaram a vítima e o arrancaram de seu carro, iniciando as agressões.

Ele foi levado, na sequência, até Santa Isabel, no interior de Águas Mornas, dentro de seu próprio carro. No local, que era isolado, os homens agrediram novamente o colega de trabalho, até a vítima fingir ter morrido por conta disso, a fim de parar com as agressões.

Entretanto, os homens o colocaram novamente em seu carro, mas desta vez trancaram as portas, tiraram as placas e atearam fogo no veículo, com intenção de matar. Os homens fugiram do local, e a vítima, que ainda fingia estar morta, saiu do interior do veículo já em chamas.

O homem conseguiu procurar ajuda e foi socorrido a tempo, tendo resistido aos ferimentos

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Detento de Tubarão é condenado a 18 anos por morte de colega de cela

A sessão foi presidida pelo juiz substituto Lucas Antônio Mafra Fornerolli.

Forquilhinha decreta situação de emergência após alagamentos

Últimos dias para eleitores com deficiência pedirem mudança para seção com acessibilidade

Senado aprova redução na idade mínima para laqueadura