Saúde

Hospital de SC se torna o centro de pesquisa nacional para identificar a Covid por meio da tosse

Comitê de ética da unidade aprovou pesquisa com pacientes, que poderá ser realizada em todo o Brasil

Divulgação

O Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, de Joinville, tornou-se o centro de uma pesquisa nacional que pode ajudar no combate à Covid-19. Após aprovação do comitê de ética da unidade joinvilense, um aplicativo que faz o diagnóstico da doença por meio da tosse do paciente poderá agora realizar a pesquisa clínica em hospitais de todo o Brasil.

Os pesquisadores da organização internacional sem fins lucrativos Virufy validaram o algoritmo da inteligência artificial com milhares de tosses da América Latina, Europa e Ásia para distinguir os sons que a Covid-19 provoca na tosse dos pacientes.

Apenas com essa informação, segundo a Virufy, é possível apontar entre positivo e negativo para a doença com 80% de precisão. O aplicativo faz o registro da tosse e consegue detectar a Covid-19 em questão de minutos.

O projeto está dividido em duas partes no Brasil. Uma delas é a coleta de tosses de pessoas que apresentem sintomas semelhantes aos da Covid-19. Elas podem contribuir por meio do aplicativo Virufy.

Já a segunda parte da pesquisa foi aprovada pelo comitê de ética do Hospital Regional de Joinville. Segundo o especialista em fisiologia e coordenador responsável pelos testes clínicos, Diego Carvalho, a tecnologia agora será aplicada em pacientes reais que apresentam resultado positivo ou negativo para Covid.

– A participação do Hospital Regional abre portas importantes e o estabelece como centro da pesquisa no Brasil. Ou seja, todas as outras instituições serão co-participantes de uma pesquisa iniciada nesse hospital – explica Carvalho.

Algoritmo treinado para padrões brasileiros

A expectativa é conseguir 2 mil pacientes para compor a pesquisa em diferentes hospitais. Segundo a organização, há tratativas com unidades de saúde de vários locais do Brasil – algumas em estágio avançado – e a expectativa é iniciar os estudos clínicos em breve.

O objetivo é chegar em diagnósticos com precisão acima de 85%, parecido com os testes de antígenos encontrados em farmácias para detectar Covid.

Segundo o coordenador responsável pelos testes clínicos, as gravações servirão para treinar o algoritmo para padrões brasileiros. Isso porque o vírus traz alterações no pulmão, garganta e vias respiratórias superiores, que alteram a tosse e a fala. São alterações sutis que apenas mecanismos de inteligência artificial conseguem detectar.

– É uma ferramenta importante de detecção precoce, mais barata para aplicar em larga escala e a intenção da Virufy é fornecer de graça para a população – garante Carvalho.

A diferença entre as tosses

O otorrinolaringologista Anderson Merkle, integrante da equipe do Virufy, explica que há diferenças entre as tosses e existem padrões que possibilitam identificá-las. É o mesmo que acontece com o tom de voz, por exemplo.

– Conversando com uma pessoa que não conhecemos, pelo padrão de voz conseguimos entender se ela está brava, feliz ou nervosa. A mesma coisa acontece, a nível de algoritmos, na identificação do padrão de tosse – exemplifica.

Segundo ele, a tosse da Covid-19 é mais seca do que a identificada em outras condições clínicas, por exemplo. Porém, o aplicativo ainda tenta capturar uma frequência de tosse que seja específica da Covid.

– Quanto mais tosses tivermos, melhor. Os dados estão sendo captados no mundo inteiro e são filtrados para tornar a máquina inteligente – acrescenta.

Apesar de ajudar a diagnosticar os pacientes com Covid-19, o Virufy esclarece que não substitui os testes de diagnóstico de nível hospitalar. O aplicativo deve ser usado em conjunto com os sintomas e verificações de temperatura para a detecção precoce.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Forquilhinha decreta situação de emergência após alagamentos

Últimos dias para eleitores com deficiência pedirem mudança para seção com acessibilidade

Senado aprova redução na idade mínima para laqueadura

Fifa antecipa início da Copa do Mundo para 20 de novembro

Jogo entre Catar e Equador abrirá o próximo Mundial