Trânsito

ICR-357, na Terceira Linha, terá controle de velocidade para estudo a partir deste sábado

Os agentes de Trânsito do Governo de Içara farão um estudo técnico sobre a velocidade e também sobre as toneladas permitidas no local.

Foto: Tânia Giusti / Comunicação Prefeitura de Içara

Com a pavimentação asfáltica, a população que reside nas margens da Rodovia ICR-357, que liga as comunidades de Vila São José e Terceira Linha, está preocupada com o aumento do fluxo de veículos e velocidade no local. Em virtude disso, a partir deste sábado (27), os agentes de Trânsito do Governo de Içara farão um estudo técnico sobre a velocidade e também sobre as toneladas permitidas no local.

“Em breve serão colocadas faixas elevadas e também placas de sinalização de velocidade, para isso, precisamos checar a questão dos transportes, cargas, peso dos caminhões. Alertamos que ninguém será multado, nossos agentes estarão lá apenas para coletar informações para o estudo e orientar os usuários”, esclareceu o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Urbano Arnaldo Lodetti.

Como medida emergencial, a equipe colocará, provisoriamente, cones nos locais mais perigosos, no cruzamento da ICR-357 e ICR-152 (que liga o Horto a BR-101), evitando que os carros circulem em alta velocidade. O estudo deve ser concluído em uma semana. Após, serão colocadas as placas de sinalização e a implantação de três faixas elevadas.

Colaboração: Tânia Giusti / Comunicação Prefeitura de Içara

Notícias Relacionadas

Quase metade do planeta ainda não tem acesso à internet, aponta estudo

A informação é apresentada e discutida no relatório “Estado da Banda Larga 2019”, da Comissão de Banda Larga, grupo que reúne representantes de empresas e das Nações Unidas.

Comissão organizadora discute medidas de segurança para a Agromel, em Içara

Estudo revela que 80% de diabéticos podem ter doenças cardiovasculares

Desinformação e relação superficial com médicos contribuem para índice

Janeiro Branco: 50% dos pacientes de psiquiatria não aderem ao tratamento, diz OMS

Em mais uma roda de conversas, profissionais e comunidade trataram sobre o tema.