Segurança

IGP ainda não concluiu exame que apontará causa de óbito durante abordagem policial em Orleans

O laudo cadavérico do ex-professor de Educação Física, o lauromüllense Alisson Luiz Alves, 42 anos, está sendo realizada pelo IGP.

Foto: Divulgação

O laudo cadavérico do ex-professor de Educação Física, o lauromüllense Alisson Luiz Alves, 42 anos, que indicará a causa do óbito, ainda não foi concluído. A informação foi repassada pelo delegado Regional da Polícia Civil de Criciúma, Vitor Bianco Junior, na manhã desta sexta-feira, dia 29.

Alisson morreu durante abordagem feita por profissionais da Polícia Civil de Orleans, na Praça Celso Ramos, na tarde desta terça-feira, 26. A apuração da causa da morte é realizada pelo Instituto Geral de Perícias (IGP). Ainda conforme o delegado, a abordagem não durou mais que dois minutos. Após Alisson ficar inconsciente, socorristas do Corpo de Bombeiros e do Samu foram acionados, mas não foi possível reanimá-lo.

O delegado de Orleans, Fernando Henrique Guzzi, emitiu, na quarta-feira, 27, uma nota em que informou que o caso está em investigação, mas não repassou detalhes a respeito do desdobramento da abordagem e da investigação envolvendo Alisson. O delegado Vitor Bianco Junior apontou que se tratava de suposta prática de crimes de cunho sexual e que Alisson teria tentado resistir à abordagem e fugir.

“Imediatamente, foi instaurado um Inquérito Policial, a fim de apurar e esclarecer as circunstâncias do fato ocorrido. Já foram ouvidas testemunhas, realizadas as diligências preliminares e perícias pertinentes”, disse, em nota, o delegado de Orleans, que sofreu fratura na costela e ficará afastado, pelo período de 30 dias, das atividades externas. O agente de Polícia Civil, que também atuou na abordagem, sofreu escoriações na mão, no ombro, no joelho e no cotovelo.

Devido ao envolvimento do delegado de Orleans na ocorrência, o delegado de Criciúma, Tulio Falcão, ficou responsável por presidir o inquérito policial em torno do óbito de Alisson. Até o momento, a família dele preferiu não se manifestar à imprensa. A Polícia Militar de Orleans não teve envolvimento no caso, sendo acionada apenas após o ocorrido, para prestar apoio à ocorrência.

Notícias Relacionadas

Morador é executado com cinco tiros em Criciúma

Segundo informações, a vítima saiu recentemente do presídio e possui passagens por pedofilia e estupro de vulnerável.

Polícia Civil apresenta dados positivos na repressão de roubos em Criciúma com prisões realizadas e criminosos identificados

Comparado com 2018, os dados indicam redução de roubos com uso de arma de fogo, roubos em residência e roubos com mais de três autores, com estabilização da quantidade de roubos gerais.

Colisão frontal termina em morte em Balneário Rincão

Polícia Civil cumpre mandados contra suspeitos de latrocínio em Sombrio