Segurança

Integrantes de facção criminosa são julgados por homicídio qualificado e outros crimes em Criciúma

Penas pelos crimes de organização criminosa, homicídio qualificado, destruição de cadáver, corrupção de menores e posse de arma somam mais de 110 anos de prisão.

Prisão

Foto: Divulgação

O Tribunal do Júri da Comarca de Criciúma condenou, nesta semana, Gilberto Nunes Matos, Navarro Larri Vanolli e Silvano da Silva, membros de uma facção criminosa, pelo homicídio e destruição de cadáver de um integrante de grupo rival.

Os três foram condenados, ainda, junto com o réu Vanderlei Felizardo, por organização criminosa e corrupção de menores. Denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina – MPSC, os quatro foram condenados a penas que somam mais de 110 anos de prisão.

A denúncia oferecida pelo Ministério Público narra que, no ano de 2015, o denunciado Vanderlei, então preso em São Pedro de Alcântara, integrava o alto escalão da facção, exercendo as funções de comando e de coordenação da ação do grupo, enquanto Gilberto, Silvano e Navarro, ‘disciplinas’ da facção, exerciam as lideranças em Criciúma, que se utilizavam de adolescentes.

Relata a denúncia, ainda, que Gilberto, em união de esforços e vontades com os réus Silvano e Navarro, matou André Renato Inácio, integrante de um grupo rival. De acordo com a denúncia, o grupo convidou a vítima para uma reunião, sob o pretexto de esclarecer os homicídios de outros dois integrantes da facção. O objetivo, no entanto, era vingar a morte dos dois comparsas, uma vez que Gilberto apontou André como autor dos crimes aos demais membros da organização criminosa.

Assim, conforme aponta a denúncia, Gilberto acompanhou André ao local combinado, onde Navarro, Silvano e dois adolescentes, um de 16 e outro de 13 anos, já esperavam. O grupo, então, surpreendeu André com diversos disparos de arma de fogo, causando a sua morte. Em seguida, colocaram o corpo da vítima no porta-malas de um automóvel furtado, o qual levaram a outro bairro e atearam fogo, no intuito de destruir o cadáver.

Julgados pelo conselho de sentença, Gilberto, Navarro e Silvano foram condenados por homicídio duplamente qualificado – por ter sido praticado com dissimulação e por motivo torpe -, destruição de cadáver e posse de arma de fogo. Aos três, e também a Vanderlei, foi ainda atribuída a prática dos crimes de corrupção de menores e organização criminosa.

O Ministério Público foi representado perante o Tribunal do Júri pelos Promotores de Justiça Gabriela Cavalheiro Locks e Marcio Cota. A decisão é passível de recurso, mas os réus não terão o direito de recorrer em liberdade.

Veja as penas aplicadas a cada um dos réus

Gilberto Nunes Matos: 30 anos, nove meses e 19 dias de reclusão mais um ano, quatro meses e 10 dias de detenção

Navarro Larri Vanolli: 31 anos, oito meses e sete dias de reclusão mais um ano, quatro meses e 24 dias de detenção

Silvano da Silva: 33 anos de reclusão e um dia de reclusão mais um ano, cinco meses e 15 dias de detenção

Vanderlei Felizardo: 11 anos, um mês e 16 dias de reclusão

Colaboração: Comunicação MPSC

Notícias Relacionadas

Sentença de pronúncia levará para júri casal acusado por homicídio cometido com espada em Orleans

Segundo os autos, os crimes aconteceram em março deste ano, no bairro Rio das Furnas

Homem que tentou matar a ex com golpes de machadinho enfrentará júri popular em Içara

O crime ocorreu no dia 6 de setembro de 2018, por volta das 17h, em Içara.

Polícia Civil cumpre mandados contra suspeitos de latrocínio em Sombrio

Corpo de homem é encontrado parcialmente carbonizado, em Criciúma