Geral

Internacional: Dólar inicia abril em alta e fecha a R$ 5,71

Bolsa caiu 1,18% em dia de ajustes.

Divulgação

Num dia de ajustes no mercado interno, o real descolou-se das principais moedas e desvalorizou-se nesta quinta-feira (1º). A bolsa de valores caiu pelo segundo dia seguido, após subir 6% em março.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,715, com alta de R$ 0,087 (+1,54%). A cotação operou em alta durante praticamente todo o dia, encerrando próxima dos níveis máximos da sessão. Ontem (31), a divisa tinha registrado a maior queda diária em três semanas e fechado em R$ 5,629.

No mercado de ações, a bolsa sofreu um dia de ajustes. O índice Ibovespa, da B3, encerrou a quinta-feira aos 115.253 pontos, com recuo de 1,18%. O indicador chegou a abrir em alta, mas reverteu o movimento e passou a cair ainda nos primeiros minutos de negociação.

O mercado doméstico dissociou-se dos mercados internacionais nesta quinta-feira. Enquanto as bolsas norte-americanas subiram, com o índice S&P 500 voltando a registrar recorde, o dia foi marcado pelas tensões. O dólar caiu perante as principais moedas internacionais, mas subiu diante do real.

As discussões em torno do Orçamento Geral da União de 2021 influenciaram o mercado. Hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu o veto parcial ao texto aprovado pelo Congresso para evitar brechas que violem o teto federal de gastos ou que possam ser questionadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O mercado financeiro repercutiu a queda de 0,7% em fevereiro, interrompendo uma sequência de nove meses de alta. O recuo na produção pode indicar que a economia começa a sentir os efeitos do agravamento da pandemia de covid-19.

Com informações do site TNSul

Notícias Relacionadas

Bancos passam a cobrar dólar do dia da compra com cartão

Medida começa valer a partir de 1º de março, conforme circular do Banco Central

Confiança do empresário do comércio cai 20,9% de abril para maio

É a maior queda desde o início da pesquisa em março de 2011, diz CNC

Bolsonaro diz que busca parceria internacional para gestão da Amazônia

Jair Bolsonaro disse que busca parcerias “no primeiro mundo” e, em especial com os Estados Unidos, para a exploração do território amazônico brasileiro.

Pesquisa diz que em abril 14,4% das indústrias paralisaram atividades

Queda nas indústrias de veículos automotores chegou a 59,5%