Geral

Juros de empréstimos batem 21,6% ao ano e atingem maior patamar desde início da pandemia

Banco Central divulgou nesta segunda-feira (25) estatísticas de crédito e juros

Divulgação

Com a alta da taxa básica de juros (Selic), o valor cobrado pelos bancos em novos empréstimos tem subido mês a mês. Em setembro, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (25) pelo Banco Central, a média chegou a 21,6% ao ano, maior valor desde o início da pandemia de Covid-19, em março.

No mês, houve elevação de 0,5 ponto percentual nos juros tanto para as famílias, que alcançaram 25,8% ao ano, quanto para empresas, 14,9% ao ano.

Em resposta à crise sanitária, o BC iniciou um ciclo de cortes que levou a Selic ao menor nível da história, a 2% ao ano, em agosto do ano passado. Já em março, quando o vírus chegou ao país, a autoridade monetária cortou 0,5 ponto percentual na taxa básica, que foi a 3,75% ao ano.

Como a Selic norteia todas as outras taxas, os juros bancários começaram a cair. Em setembro, a média ficou em 18,1% ao ano, menor valor da série iniciada em março de 2011.

Diante da escalada da inflação, no entanto, em março deste ano o BC voltou a subir a taxa, que atualmente está em 6,25% e deve encerrar o ano perto de 9%.

O spread — diferença entre a taxa de captação dos bancos e o que eles cobram em empréstimos — ficou estável em 14,5 pontos, mas teve alta de 0,2 ponto nos 12 meses.

O saldo de crédito, que é todo o montante emprestado no sistema financeiro, chegou a R$ 4,4 trilhões em setembro, aumento de 2% em relação a agosto e o maior valor da série.

O estoque de financiamentos atingiu a marca de R$ 4 trilhões pela primeira vez na história em dezembro do ano passado, impulsionado principalmente por programas do governo para crédito às pequenas e médias empresas em meio à pandemia.

Em setembro, os bancos emprestaram R$ 445,1 bilhões, crescimento de 3,1% em relação a junho. A alta foi puxada pela concessão de crédito às empresas, com 3,7%. Para as famílias, houve alta de 0,5%.

A variação é calculada com ajuste sazonal, que retira peculiaridades do período, como número de dias úteis, para facilitar a comparação.

A inadimplência permaneceu estável no mês, em 2,3%. Em 12 meses, no entanto, houve queda de 0,1 ponto percentual.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Centro de Triagem encerra atividades e atendimentos são absorvidos pelas UBSs em Criciúma

Sintomáticos e suspeitos de Covid-19 serão atendidos pelas unidades de saúde

Coorsel arrecada tampinhas em prol da causa animal de Tubarão

Arrecadação foi entregue para as voluntárias que atuam na proteção de animais abandonados ou vítimas de maus-tratos.

Atleta de Muaythai de Criciúma é convocado para mundial na Tailândia

Welinton Benvenutti Fernandes disputará a categoria Senior Elite até 71

Teatro Municipal Elias Angeloni recebe espetáculo “O Homem Mais Inteligente da História”

Peça será nessa sexta-feira (3)