Geral

Justiça condena empresa que vendeu mas não entregou R$ 2 milhões em máscaras a SC

A distribuidora foi penalizada com multa de 10% sobre o contrato e ainda foi suspensa de participar de novas licitações pelo prazo de seis meses

Divulgação

A 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em matéria sob a relatoria do desembargador Carlos Adilson Silva, confirmou as penalidades impostas a uma distribuidora de medicamentos que, durante a pandemia da Covid-19, ven​deu mas não entregou o equivalente a mais de R$ 2 milhões em máscaras cirúrgicas ao Estado. A distribuidora foi penalizada com multa de 10% sobre o contrato e ainda foi suspensa de participar de novas licitações pelo prazo de seis meses. O mandado de segurança impetrado pela empresa foi indeferido por unanimidade pelo colegiado.

Para prevenir a disseminação da pandemia do novo coronavírus, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) firmou contrato mediante dispensa de licitação com a distribuidora de medicamentos, no valor de R$ 2.080.000. A ordem de fornecimento foi expedida no dia 19 de março de 2020, com prazo de entrega dos insumos em até três dias.

Após a assinatura do contrato, a empresa alegou a impossibilidade de cumprimento pela falta de material disponível para a confecção das máscaras cirúrgicas no mercado. Assim, requereu o cancelamento do empenho e do contrato, sem a imposição de qualquer penalidade. O Estado deflagrou o processo administrativo e a empresa alegou a excludente de caso fortuito ou força maior. Na sequência, a SES rescindiu o contrato e aplicou as sanções de multa de 10% sobre o valor do contrato e a suspensão do direito de licitar pelo prazo de seis meses.

Inconformada, a distribuidora de medicamentos impetrou mandado de segurança no TJSC. Requereu que deve ser reconhecida ao menos a culpa recíproca, uma vez que o Estado de Santa Catarina também não efetuou o pagamento no prazo assinalado e as penalidades devem ser revistas sob a ótica da razoabilidade.

Vale ressaltar, segundo o relator, que compete à sociedade empresarial, previamente à celebração do contrato, atentar para a possibilidade de insuficiência de insumos e cercar-se das cautelas que possam assegurar o satisfatório cumprimento da obrigação pactuada. “Se tinha dúvidas acerca da viabilidade de execução contratual, a providência adequada seria abster-se de celebrar o contrato, ao invés de assumir a incumbência para, posteriormente, informar sobre a impossibilidade de efetivação, causando indiscutíveis prejuízos ao Poder Público e à sociedade, em menoscabo aos mais relevantes princípios administrativos”, anotou o relator em sua decisão.

A sessão foi presidida pelo dese​mbargador Francisco José Rodrigues de Oliveira Neto e dela também participou o desembargador Sérgio Roberto Baasch Luz (Mandado de Segurança Cível n. 5040409-89.2020.8.24.0000/SC).

Notícias Relacionadas

Fapesc investe R$ 1 milhão em novos estudos para produção de vinho e uva em SC

A produção de uvas e vinho abrange ainda uma área de cultivo de cerca de 6 mil hectares em diferentes regiões. Só de vinícolas, são 95 empresas registradas no Estado

Profissionais da Assistência Social passam por minicurso sobre abordagem antirracista em Criciúma

Palestra foi ministrada por três profissionais da área da Educação e Direito e ocorreu no Salão Ouro Negro

24 horas: Um sonho de 30 anos realizado em Cocal do Sul

A inauguração será neste domingo (26), às 18h, no dia do aniversário de 30 anos de Cocal do Sul

Edital Cultura Criciúma contemplará 30 projetos com R$ 133 mil

Inscrições podem ser feitas até o dia 22 de outubro. Objetivo é incentivar atividades culturais na cidade