Segurança

Justiça mantém prisão preventiva de motorista que arrastou moto por 32 quilômetros em SC

Acidente na BR-101 deixou motociclista ferido e matou a mulher dele. Na noite anterior, caminhoneiro usou entorpecentes e dirigiu sob luzes piscando e som alto, segundo MPSC.

Divulgação

O caminhoneiro que arrastou uma moto por 32 quilômetros na BR-101 em Santa Catarina fez da carreta que conduzia “uma boate” na noite anterior ao acidente, com “som alto, luzes coloridas piscantes, além do uso de entorpecentes”, segundo a promotora de Justiça Cristina Balceiro Motta. Esse foi um dos argumentos usados por ela para que a Justiça mantivesse o motorista preso. Nesta sexta-feira (16), o Ministério Público de Santa Carina (MPSC) informou que a prisão preventiva dele foi mantida pela Justiça.

“Há suspeita de que se ele fosse solto, pudesse a vir a praticar algo semelhante. A sociedade estaria em risco ele dirigir novamente sob a condição em que ele se encontrava, que era utilizando cocaína e o remédio que o manteve acordado durante a noite toda. Ele ter feito do caminhão dele uma boate, isso significa uma total irresponsabilidade no comando de um veículo em altoestrada”, disse a promotora.

Segundo ela, a manifestação feita pela 8ª Promotoria de Justiça de Itajaí e atendida pela 2ª Vara Criminal da Comarca da cidade foi para garantir a ordem pública. A decisão ocorreu após a defesa do caminhoneiro pedir a revogação da prisão preventiva.

O caminhoneiro de 36 anos é réu pelo homicídio de Sandra Aparecida Pereira, de 47 anos, e por tentativa de homicídio contra o marido dela, Anderson Antôno Pereira, de 49 anos.

O casal estava na motocicleta que foi atingida pela carreta em alta velocidade no km 106 da BR-101 em Penha, no Litoral Norte catarinense, no dia 6 de março. Eles voltavam de um passeio em Campo Alegre, no Norte do estado.

Após ser arrastado junto de sua moto, Anderson precisou escalar a cabine do caminhão e se pendurar na porta para pedir ao caminhoneiro que parasse o veículo. O motociclista se jogou da carreta alguns quilômetros à frente. A mulher caiu na rodovia, foi socorrida, mas morreu no hospital.

Boate no caminhão

Para a promotora, responsável pela denúncia apresentava contra o motorista à Justiça, outro argumento usado para que a prisão não fosse revogada foi o fato de o caminhoneiro não prestar socorro e não atender aos pedidos do motociclista para que parasse o veículo. Anderson ficou pendurado na porta do motorista “implorando” pela parada, mas acabou sendo agredido no rosto.

Quanto foi abordado, o motorista exibia visíveis alterações da capacidade psicomotora causado por alguma substância entorpecente, informou a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Além de “ter passado a noite anterior aos fatos na condução de um grande caminhão, consumindo entorpecentes e fazendo do veículo algo similar a uma boate – eis que ele o dirigia sob luzes coloridas piscando, escutando música alta, cantando e filmando a si próprio-, ele passou a transitar pelas rodovias em velocidade excessiva e de modo perigoso, culminando por, na tarde seguinte a esse episódio, abalroar a motocicleta das vítimas, lançando a primeira delas ao asfalto, posteriormente ocasionando-lhe a morte”, informou ao promotora.

Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

Chuva intensa em SC: Defesa Civil alerta para risco de alagamentos nos próximos 5 dias

A previsão de chuva forte e persistente nos próximos dias afeta principalmente as áreas litorâneas de Santa Catarina

Corredor Ecológico da Serra Geral pode afetar prática agrícola na região

Alerta foi feito pelo advogado e geógrafo Eduardo Bastos Moreira Lima.

Integrantes de organização criminosa são presos por mutilar brutalmente os dedos de uma mulher em Tubarão

A agressão, que foi filmada pelos criminosos, foi motivada por dívida de drogas.

Corpo de Bombeiros de Lauro Müller combate incêndio em caminhão

Havia outros caminhões próximos e, felizmente, colaboradores da empresa conseguiram controlar as chamas até a chegada dos profissionais