Segurança

Laudo revela que menina morta pelo pai em Criciúma foi queimada viva após ser esfaqueada

Laudo pericial concluiu que a menina de 13 anos ainda estava com vida quando o pai colocou fogo na casa e fugiu do local.

Foto: Corpo de Bombeiros

A menina Alexia Zuchinali, 13 anos, ainda estava viva quando o pai dela, Alex Zuchinali, 39 anos, ateou fogo na casa, após esfaquear a filha em Criciúma. O laudo pericial do IML (Instituto Médico Legal) do IGP (Instituto Geral de Perícias) concluiu que a causa da morte da adolescente foram os ferimentos das facadas juntamente com a inalação de fumaça, proveniente do incêndio.

Preso em flagrante, Alex não apontou o motivo de ter atacado os seis filhos. Ele disse em depoimento que estava cozinhando e não se lembra do crime. Usuário de drogas, ele estava completamente alterado quando foi preso pela Polícia Militar (PM), na manhã de sábado, 14, na própria casa onde cometeu o crime.

A Polícia Civil já encerrou as investigações e o inquérito foi enviado ao poder judiciário. Alex foi encaminhado ao Presídio Regional de Criciúma, no bairro Santa Augusta. Ele deverá responder por feminicídio, da própria filha, tentativa de feminicídio contra as outras duas filhas, tentativa de homicídio contra os três filhos e incêndio criminoso. As crianças estão sob a guarda de familiares.

A reportagem não localizou a defesa de Alex. O espaço está aberto para manifestação.

Mãe havia fugido da casa

Faziam cerca de duas semanas que a mãe das crianças havia fugido da casa, devido as constantes agressões que sofria. Ela destacou que não imaginava que ele poderia fazer isso. De acordo com a PM, existem cercam de 18 Boletins de Ocorrência (B.O) registrados por violência doméstica contra Alex.

“Antes de sair de casa e deixar as crianças, com minha mãe responsável. Eu não fui embora com ninguém e sim me abrigar em uma casa até a polícia pegar ele. Onde eu estava não tinha como levar eles. Por isso eles estavam com minha mãe sob cuidados. Eu corria risco de vida”, escreveu ela em uma rede social.

De acordo com a Polícia Civil, a mãe estaria morando em Laguna e teria fugido a cerca de duas semanas do local. A mãe dela e avó das crianças morava na parte de trás da casa onde o homem residia com o seis filhos. Além de Alexia, moravam no local duas meninas e três meninos. Um deles de sete anos teve o joelho esfaqueado pelo pai. As outras crianças de 12, 10, 11, 6 e 5 anos conseguiram fugir no momento das agressões.

“Você me deixou filha, por um mostro que dizia ser pai. Um bicho, animal que tirou sua vida. Estou desesperada, sem palavras, com coração partido. A saudade está me matando por não ver mais você sorrindo, brincando, que Deus te dê um novo lugar no céu”, destacou a mãe nas redes sociais.

O crime

Por volta das 21h da última sexta-feira, 13, a avó das crianças e Alex teriam ido a um culto, mas no caminho de volta o homem teria saído descontrolado falando que ia matar todo mundo. Em casa, ele teria iniciado os ataques aos filhos com uma faca.

A primeira vítima foi o filho de sete anos que foi atingido na perna e posteriormente ele teria esfaqueado Alexia. Os outros filhos teriam tentado impedir o crime, mas, sem sucesso, fugiram da casa pedindo por socorro.

Ele teria pedido para as crianças voltarem para dentro da casa. Momento em que teriam ameaçado chamar a polícia. Então, ele colocou fogo na casa e fugiu do local. Alexia teria auxiliado o irmão a sair da casa, mas devido aos ferimentos não teria conseguido sair.

Quando o Corpo de Bombeiros chegou ao local, foi informado que a adolescente não tinha saído da casa que estava em chamas. Após combater o incêndio, o corpo dela foi encontrado.

Com informações do site ND+

Notícias Relacionadas

Sentença de pronúncia levará para júri casal acusado por homicídio cometido com espada em Orleans

Segundo os autos, os crimes aconteceram em março deste ano, no bairro Rio das Furnas

Polícia Civil cumpre mandados contra suspeitos de latrocínio em Sombrio

Comarca de Criciúma, em seu 1º júri do ano, analisa homicídio ocorrido em bar

Segundo a denúncia, o crime ocorreu em março de 2016, próximo a um bar na cidade de Nova Veneza.

Incêndio no Hotel Rech: polícia indicia responsável pelo local por homicídio culposo