Saúde

Máscaras impróprias entregues para escolas de SC devem ser trocadas em até 5 dias

Empresa foi notificada e disse que irá fazer a substituição

Divulgação

A Secretaria de Estado da Educação (SED) deu prazo de cinco dias para que a empresa responsável por fornecer máscaras a escolas estaduais troque ou faça o ressarcimento do valor pago. A ação acontece após itens com qualidade inferior ao que foi licitado pela pasta terem sido encontrados por alunos e professores.

As máscaras foram adquiridas por meio de pregão eletrônico no ano passado. O equipamento, conforme as especificações exigidas pela SED, deveria ter três camadas, clips nasal e filtragem bacteriana acima de 95%. Itens com duas e até mesmo uma camada foram encontrados no pacote enviado.

A empresa foi notificada na segunda-feira (20). Ao G1, um dos representantes da WWT Comercial Importadora e Exportadora, empresa vencedora do pregão, disse que vai fazer a troca de todas as máscaras que estiverem em desacordo com o edital, desde que a Secretaria de Educação enumere quantas precisam de substituição.

A SED também solicitou que a empresa justifique o que aconteceu apresentando comprovantes. Foram compradas mais de 21 milhões de máscaras pelo valor de R$ 4 milhões.

A compra das máscaras foi investigada pelo Ministério Público de Contas de Santa Catarina (MPC/SC). Um levantamento do órgão apontou irregularidades, entre elas em relação à qualidade do equipamento. O Tribunal de Contas (TCE) deu prazo de 60 dias para que a pasta esclareça os fatos.

Como foi a compra das máscaras

A empresa vencedora da licitação para compra de máscaras foi a Rama Comércio e Importação de Produtos Personalizados, que hoje tem o nome de WWT Comercial Importadora e Exportadora Ltda.

A entrega deveria ter acontecido em dezembro de 2020. Contudo, alegando que o item estava em falta com seus fornecedores, a Rama pediu prorrogação do prazo de entrega duas vezes.

Foi solicitada também pela empresa da Palhoça, a troca do fabricante das máscaras. A marca apresentada no edital foi substituída pela Art Cor Brasil, com sede em São Paulo.

A ação foi aceita pelo governo e, em abril, uma comissão de servidores assinou cinco termos de recebimento dos itens. Uma vistoria não apontou a presença de nenhuma máscara diferente do que foi licitado.

A empresa chegou a enviar um laudo que mostrava a qualidade das máscaras do novo fabricante para o governo de SC. A veracidade foi atestada por meio de uma troca de e-mails com o laboratório responsável pela perícia.

O laudo mostra que a máscara tem mais de noventa e cinco por cento de filtração de bactérias. Contudo, ele foi feito em uma de três camadas, diferente da que foi encontrada em escolas estaduais.

*Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

Grave acidente na BR-282 deixa uma pessoa morta e outra ferida em SC

Segundo a PRF, até o momento da publicação desta matéria, o trânsito fluía lentamente nos dois sentidos da rodovia

Greve de caminhoneiros tem apoio de 48% da categoria em SC

Santa Catarina é um dos Estados que mais apresenta "resistência" à greve, aponta pesquisa que ouviu mais de 2 mil caminhoneiros em todo o Brasil

São Ludgero antecipa para amanhã (26) a segunda dose da vacina contra Covid-19

A Sala de Vacinas funciona na ESF Margem Esquerda das 7 às 16 horas sem fechar ao meio-dia

Epagri amplia monitoramento do vento junto ao Porto de Imbituba

Ele explicou que a estação anemométrica foi instalada, a pedido do Porto, numa posição estratégica junto ao cais