Educação

Material escolar sem consumismo

A preocupação maior era o respeito aos professores, à instituição de ensino, à aprendizagem, à disciplina, aos valores que hoje estão tão corroídos.

Divulgação

As férias chegando ao seu final e cresce a preocupação dos pais com o início do ano letivo: novos professores, novos amigos, novos horários, mas algo que os preocupa ainda mais, e com razão, é a lista de materiais que devoram uma boa fatia do orçamento. E nesse quesito volto à reflexão feita na semana anterior sobre, e me permitam repetir, “no meu tempo”, quando o consumismo inexistia, a lista de materiais era bem simples, sem marcas, sem apelos midiáticos, sem esbanjamento… A preocupação maior era o respeito aos professores, à instituição de ensino, à aprendizagem, à disciplina, aos valores que hoje estão tão corroídos.

O mundo mudou, eu sei… Todos mudamos, mas nada impede que pensemos no que foi bom e formou tantas gerações felizes e responsáveis. Que tal analisarmos juntos uma melhor forma de atender às exigências do mundo atual, sem ceder às tentações do consumismo exacerbado, apreendendo várias lições como: sustentabilidade, educação financeira, solidariedade e tantas outras.

A primeira atitude das famílias, antes de sair às compras, é fazer uma revisão geral nos materiais do ano anterior e reaproveitar o máximo possível. Não é vergonha reutilizar se está em condições. Vergonha é o desperdício, é não contribuir com a sustentabilidade do planeta, é comprometer o orçamento ao estimular o consumismo infantil. Feito isso, pesquisar preços nos mais variados locais, pois há muita exploração. A internet hoje é a maior parceira. Não deixe que a publicidade iluda as crianças. Não ceda às reinas delas. Fuja dos produtos com imagens licenciadas, pois podem custar até o dobro do preço. Não é o personagem que dá qualidade ao produto. Algumas empresas hoje já colaboram produzindo, com muita qualidade, materiais desprovidos de imagens licenciadas. Que tal customizar livros, cadernos e agendas com imagens dos lugares visitados pelas crianças nas férias, fotos com a família, adesivos, colagens, enfim algo diferente, autêntico, além de estimular a criatividade. Crie a sua própria marca.

Sugestão interessante é após pesquisados os melhores preços, os pais em conjunto façam as compras, pois em grande volume o preço melhora ainda mais. Promover o troca-troca ou a doação de uniformes e livros em bom estado de uso é também importante e pode ser feito em parceria com a escola. Crianças crescem e deixam uniformes perfeitos. Não deixe nas gavetas. O mesmo com os livros… Assim muitas pessoas têm acesso aos materiais sem retirar mais matéria-prima do meio ambiente. Isso chama-se sustentabilidade, tão teorizada, mas pouco praticada.

Evite levar as crianças às compras para não ceder às tentações, mas se o fizer aprenda a dizer não diante da insistência delas, pois é fundamental para uma educação saudável. Assim, aprenderão que cabe aos pais decidir o quanto podem gastar e o que podem comprar.

Notícias Relacionadas

Feirão Roluza sorteia 11 vale compras em comemoração ao aniversário da loja

A loja está repleta de novidades para atender o movimento de fim do ano, com reposição semanal. Quem comprar na Roluza concorrerá a um carro 0 km.

Com mais espaço e maior variedade em produtos, RB Presentes Orleans passa a atender em novo endereço

Com o intuito de proporcionar melhor atendimento e mais variedades aos clientes, o empresário Robson De Brida continua com projeto de ampliação e aperfeiçoamento.

Confira 7 sugestões de presentes tecnológicos e acessórios de celulares para o Natal

VEJA VÍDEO - Os produtos são bastante procurados pelos clientes e estão disponíveis na LC Celulares de Cocal do Sul e Urussanga.

“Qual Vai Ser?” mobiliza jovens para a reflexão sobre escolhas