Saúde

Moisés barra lei aprovada na Alesc que restringe decreto de lockdown em pandemias

Governador considerou a lei inconstitucional, com base em pareceres da Procuradoria Geral do Estado e da Secretaria de Estado da Saúde

Divulgação

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (sem partido), barrou o PL (projeto de lei) nº 51/2021 que restringe o fechamento do comércio durante pandemias. O projeto impede o Executivo de decretar lockdown, sem reunião prévia com representantes dos empregadores e empregados do setor.

O texto estabelece que uma reunião deve ser realizada com no mínimo 48 horas de antecedência de qualquer determinação de fechamento. A matéria foi aprovada na Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina) no início de outubro. O PL é de autoria da deputada Ana Campagnolo (PSL).

O veto de Moisés foi publicado no DOE (Diário Oficial do Estado) nessa quarta-feira (3). O chefe de Executivo considerou a matéria inconstitucional, com base em pareceres da PGE (Procuradoria Geral do Estado) e da SES (Secretaria de Estado da Saúde). Os dois órgãos se manifestaram contrários à sanção do PL.

Conforme a Procuradoria, o projeto “fere expressamente norma geral sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019”. Além disso, para a PGE, o projeto “invade competência privativa da União”.

O parecer prossegue dizendo que a exigência de reuniões prévias com o setor de comércio “subverte a lógica protetiva perseguida tanto pelo constituinte como pelo legislador” e “extravasa a alçada legislativa regional, pois se dissocia do objetivo de defesa e proteção da saúde”.

A SES considera que o PL “tolhe preceitos fundamentais da defesa da saúde à população”. O órgão estadual diz, ainda, que é “totalmente incongruente um projeto de lei que proíbe a atuação preventiva da Vigilância em Saúde e ainda prevê um prazo mínimo de 48h para atuação”.

Por fim, a Secretaria afirma que “além de retirar o poder cautelar das autoridades sanitárias”, o projeto retira também a liberdade de ação do próprio governo do Estado.

Agora, a decisão de Moisés será discutida em plenário na Alesc. Se o veto for aceito, o projeto de lei será arquivado. Caso contrário, os deputados poderão derrubar o veto e o PL se tornará lei promulgada. A reportagem tentou contato com a assessoria da deputada Ana Campgnolo, mas não obteve retorno até a publicação. O espaço está aberto.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Centro de Triagem encerra atividades e atendimentos são absorvidos pelas UBSs em Criciúma

Sintomáticos e suspeitos de Covid-19 serão atendidos pelas unidades de saúde

Coorsel arrecada tampinhas em prol da causa animal de Tubarão

Arrecadação foi entregue para as voluntárias que atuam na proteção de animais abandonados ou vítimas de maus-tratos.

Atleta de Muaythai de Criciúma é convocado para mundial na Tailândia

Welinton Benvenutti Fernandes disputará a categoria Senior Elite até 71

Teatro Municipal Elias Angeloni recebe espetáculo “O Homem Mais Inteligente da História”

Peça será nessa sexta-feira (3)