Reflexão

Morre, aos 91 anos, monsenhor Blévio Oselame

Foto: Divulgação

Os católicos da serra catarinense amanheceram de luto na manhã desta segunda-feira (5) com a notícia do falecimento do monsenhor Blévio Oselame, aos 91 anos.

Ele estava internado no Hospital Sagrado Coração de Jesus há aproximadamente 15 dias, com o diagnóstico de infecção urinária. Nesse domingo, o estado de saúde se agravou.

No próximo dia 11 de fevereiro, ele completaria 92 anos. Blévio foi um grande líder religioso em São Joaquim, atuou por 58 anos, a maior parte de sua trajetória como padre, de 68 anos.

Bibliografia de Monsenhor Blévio Oselame

Por Silvio Silveira Filho

Foto: Divulgação

Padre Blévio Oselame, filho de José Oselame Thereza Crestani Oselame, nasceu no dia 11 de fevereiro de 1926, no distrito de Cocal do Sul, quando ainda pertencia ao Município de Urussanga. Pertencia a uma família de oito filhos. Em 1940, mudou-se com a família para Consolação, localidade entre o Rio Rufino e Urubici, mais tarde para Rio Rufino.

Vocacionado para o sacerdócio, em 1941, ingressou no Seminário Diocesano de Caxias do Sul/RS, cursando o colegial e científico. Em 1947, ingressou na faculdade de Filosofia e Teologia em São Leopoldo/RS, no Seminário Central dos Padres Jesuítas. No dia 8 de dezembro de 1954, foi ordenado sacerdote na Catedral de Lages por Dom Daniel Hostin. Padre aos 24 anos, mesmo antes de concluir o curso de Teologia. Mais tarde, depois de padre, bacharelou-se na Faculdade de Ijuí/RS, com cadeira registrada no MEC na Secretaria de Educação em Florianópolis, nas disciplinas de Filosofia, Sociologia e História.

Posteriormente, foi servir as paróquias de Piratuba, Piritiba e Esteves Junior. Somente depois foi para São Joaquim, onde sempre almejou ser sepultado, ao lado do mausoléu onde repousam os restos mortais do saudoso padre João Batista Viecilli, na Capela Senhor dos Passos. Foi nomeado Pároco de São Joaquim no dia 10 de janeiro de 1957, onde foi bem aceito pela comunidade. Ao lado dos moradores do município, atuava em iniciativas de incentivo ao crescimento religioso, educacional e econômico da Paróquia e do Município.

Padre Blévio teve participação de apoio na construção da Escola Técnica de Comércio, antigo Colégio Cenecista. Lá também foi professor voluntário, ao lado das demais professores que atuavam no município. Como promotor religioso e administrador econômico da Paróquia, concluiu as obras da atual Igreja Matriz, construiu a atual Casa Paroquial que, na época, em 1º de janeiro de 1959, era tida como a construção mais moderna de São Joaquim.

Foi inspetor escolar por quatro anos, por nomeação do governador Celso Ramos, abrangendo a região de São Joaquim, incluindo os distritos de Bom Jardim e Urupema, que ainda não haviam se desmembrados. Diante dessa nova realidade, percebeu a carência de maior espaço físico para escolas, tanto da cidade como no interior. Daí a construção relâmpago do Colégio Paroquial São José, com capacidade para mais de 360 alunos, como escola particular, onde foi professor. Depois de o colégio ser estadualizado, abrigou aproximadamente de 1,2 mil estudantes.

Construiu a residência das irmãs diretoras e professoras do colégio. As Irmãs Franciscanas foram para São Joaquim a pedido dele. Pe. Blévio é um dos sócios-fundadores da Rádio Difusora São Joaquim Ltda.. Foi produtor e apresentador do programa “A Voz do Vigário” desde 1960. Em 1967, construiu o edifício chamado Conjunto do Salão Paroquial Frei Rogério. Outra grande obra foi a construção da Casa de Formação, servindo para cunho religioso e social, que hoje abriga um colégio particular. Além disso, houveram muitas realizações materiais e religiosas nas comunidades do interior do município e da paróquia, com um vasto leque, com mais de 18 capelas e quatro capitéis.

Foto: Divulgação

Poderia ser considerado um padre engenheiro que, aliás, foi um de seus pontos fortes, além de político por tradição familiar, sempre cogitado para cargos públicos, mas que nunca aceitou. Todas as obras foram realizadas com recursos provenientes da amizade popular, com doações e festas na comunidade. É cidadão joaquinense desde 1963.

Foi sócio-honorário de vários clubes de serviço joaquinense, pois sempre esteve lado a lado com todos os movimentos e eventos socioeconômicos, políticos, culturais, recreativos, desportivos, beneficentes e, principalmente, religiosos, razão primeira de estar entre eles. Há 58 anos, as placas de benemerência ou méritos a ele outorgados estão à direita da Igreja Matriz. Outro mérito foi uma escultura em pedra ferro na forma de uma mão e colocados em praça pública, homenagem da Colônia Japonesa na passagem dos 30 anos em solo joaquinense e 50 anos no exercício do sacerdócio de Blévio Oselame.

Visionário e com vocações ímpares, sempre procurou fazer obras para a posteridade, conseguiu a simpatia popular e, assim, concluiu a Igreja Matriz, quando, ao mesmo tempo, já construía a Casa Paroquial, entre outras grandes obras.

Com informações do site SaoJoaquimOnline

Foto: Divulgação

Notícias Relacionadas

Vigário paroquial de Capivari de Baixo, padre Hilário Puziski, morre aos 79 anos

Morre Waldemar Colonetti, presidente da Aproet, aos 76 anos

Orleans se despede do artista que elevou o nome da cidade

Zé Diabo, criador das Esculturas do Paredão, foi sepultado na manhã de hoje.

Conselho Diretor da Febave emite nota de pesar pela morte de Zé Diabo