Política

Morre ex-prefeito de Santa Rosa de Lima

Bertilo Heidemann, de 61 anos, morreu na madrugada deste sábado (25), por volta de 1h30min

Foto: Divulgação

O ex-prefeito de Santa Rosa de Lima, Bertilo Heidemann, aos 61 anos, que sempre teve fortes ligações com o PMDB, morreu na madrugada deste sábado (25), por volta de 1h30min. O velório ocorre na capela da Previne, no centro de Santa Rosa, e o sepultamento está agendada para este domingo (26) de Carnaval, às 10 horas. Muitas lideranças políticas e amigos prestam homenagens ao ex-prefeito que sempre defendeu a bandeira do PMDB.

Na última gestão, a esposa de Bertildo, Dilcei Heidemann (PMDB), foi prefeita entre 2013 e 2016, tentou a reeleição em outubro do ano passado, mas obteve 918 votos, contra 975 do candidato Salesio Wiemes (PT), que governa Santa Rosa, e deve decretar luto oficial ainda neste sábado.

Santa Rosa de Lima é o menor município em número de habitantes da Amurel e dos menores do Estado, tem 2.100 pessoas. O território onde se situa a cidade foi, primeiramente, habitado pelos índios botocudos. Em 1915, chegaram os primeiros imigrantes alemães, dos quais destacaram-se Germano e José Hermesmayer, Miguel e Germano Becker e Abrão Kobas. Famílias brasileiras também fixaram-se na região. A primeira capela foi construída por oito famílias, em 1919. A primeira escola foi erguida pelos próprios habitantes e por eles mantida até 1951, quando, então o Estado se responsabilizou. Foi elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Santa Rosa de Lima, pela lei estadual nº 823, de 10-05-1962, desmembrado de Rio Fortuna. Instalado em 10 de junho de 1962.

Com informações do Portal Notisul

Notícias Relacionadas

Ex-prefeito de Orleans e fundador da Plaszom, Francisco Zomer morre aos 83 anos

Seu Chico, como era conhecido, marcou a história de Orleans ao empreender e contribuir com ações sociais no município.

PSD, PP e PSB

Ex-prefeito de Pescaria Brava é condenado por aquisição irregular de imóvel

De acordo com os autos, o imóvel foi adquirido sem processo licitatório prévio e, além disso, para tornar possível a compra do imóvel, foi promovida a irregular desapropriação do bem.

Bauer, Amin e Kleinübing