Geral

Movimento destaca a importância da indústria carbonífera

Setor tem forte impacto social e econômico e representa fonte de energia segura

Divulgação

“Carvão Mineral: para um presente seguro e um futuro sustentável” é o movimento lançado por entidades empresariais do Sul de Santa Catarina com o objetivo de valorizar a indústria carbonífera e a geração de energia proveniente dela.

“A produção de energia elétrica por meio do carvão mineral representa segurança energética, com forte impacto socioeconômico”, defende o presidente da ACIC, Moacir Dagostin. O presidente do Forcri, Leandro Eufrásio Teixeira, destaca a importância do setor para o desenvolvimento do Sul de Santa Catarina. “A região pode se desenvolver ainda mais e a indústria do carvão tem participação importante neste processo”, reforça.

Participam do movimento: Associação Empresarial de Criciúma (ACIC), Associação Empresarial de Tubarão (ACIT), CDL de Criciúma, Regional Sul da Federação das Indústrias de SC (Fiesc), Federação das Associações Empresariais de SC (Facisc), Federação Interestadual dos Trabalhadores na Indústria da Extração do Carvão (Fitiec), com apoio do Fórum de Entidades de Criciúma (Forcri) e Fecomércio.

O movimento “Carvão Mineral: para um presente seguro e um futuro sustentável” se dará por meio de anúncios publicitários em vários veículos de comunicação regionais e estaduais, além da produção de matérias jornalísticas mostrando a importância e o desenvolvimento tecnológico do setor. “O movimento cumprirá o papel de conscientizar a população de que o carvão mineral é uma energia segura, essencial e necessária. Com transparência, será enfatizado o quanto o setor já contribuiu com o desenvolvimento da região sul catarinense e o quanto está preparado para um futuro sustentável”, manifesta o presidente do Siecesc, Valcir José Zanette.

Evolução do setor

A extração de carvão mineral foi iniciada no Brasil no fim do século 19. Em Santa Catarina, o setor começou a se desenvolver em 1917. De lá para cá, a mineração trouxe impactos positivos e negativos, mas também muito aprendizado. “Nos últimos 35 anos houve muita evolução do setor, investimentos em inovação, tecnologia, educação, segurança, saúde, meio ambiente, entre outros aspectos”, relata Zanette. É esta evolução, que deixou para trás uma atividade econômica de alto impacto ambiental e tornou realidade um conjunto de empreendimentos ambientalmente e socialmente responsáveis, que o movimento iniciado pelas entidades empresariais quer mostrar.

Impacto econômico

A indústria carbonífera gera 5 mil empregos diretos e mais de 20 mil indiretos no Sul de Santa Catarina. O setor é responsável por 4% do Valor Adicionado dos municípios ligados à Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec), de acordo com dados de 2018. “A extração do carvão mineral é um importante segmento da nossa economia, por muitos anos foi a principal atividade econômica de Criciúma. No Sul catarinense, abrange carboníferas, ferrovia, usina térmica e produção de cimento. São 15 municípios envolvidos”, destaca o presidente da ACIC, Moacir Dagostin.

Para além do impacto local, o presidente do Forcri, Leandro Eufrásio Teixeira, aponta a importância do setor para a segurança energética. “Realizar esta campanha em prol ao carvão se faz necessário por sua importância como uma das principais fontes energéticas. Este setor representa R$ 4 bilhões na economia catarinense, tendo assim envolvimento direto no movimento econômico de diversos municípios do sul do estado”, reitera.

Notícias Relacionadas

Homem que matou estuprador é condenado a 14 anos de prisão em Criciúma

O crime aconteceu em fevereiro de 2019, quando a vítima foi assassinada a tiros por Y.D.C., à época com 23 anos, no bairro Cristo Redentor, em Criciúma

São Ludgero foi sede da reunião do Colegiado de Educação da Amurel

O evento foi aberto e coordenado pelo Assessor da Amurel, responsável pela área de Educação

Governador Carlos Moisés destaca inovação catarinense durante Circuito Inova SC

O reitor do Unibave, Guilherme Valente de Souza, destacou o momento ímpar vivido pela Acafe e por cada universidade comunitária do Estado

Santa Catarina reduz a cinco meses intervalo para dose de reforço em idosos

A logística de encaminhamento de doses para os municípios tem ocorrido de forma ágil e leva em conta a estimativa populacional do IBGE