Geral

Mulher e seus múltiplos papéis

HSJosé possui um número significativo de colaboradoras e médicas atuando diariamente 24h, todas com papéis fundamentais e importantes para manter o hospital funcionando.

Divulgação

O Hospital São José possui mais de 1400 colaboradores, dos mais diferentes setores. Deste número, quase 1200 são mulheres. Todas elas, dentro de suas funções, exercem um papel fundamental na assistência à saúde e no acolhimento aos pacientes. São mulheres que todos os dias se deslocam de suas residências, deixam suas famílias para se doarem ao próximo e que demonstram diariamente a sua força, dedicação e amor pelo o que fazem. Em cada setor do HSJosé é possível vivenciar exemplos de mulheres fortes e dedicadas à profissão que escolheram.

Dedicação à vida religiosa e ao próximo

Um exemplo de força feminina dentro do HSJosé é trazido pela Irmã Jesica Andrea Benítez. Nascida na cidade de Santa Elena, na Argentina, aos 31 anos, ela é a mais jovem religiosa da Entidade. Enfermeira e residindo em Criciúma há três anos, atualmente trabalha na Central de Materiais e acredita na força da mulher, especialmente dentro de uma instituição hospitalar.

“Tenho a visão da nossa fundadora, a Madre Teresa de Jesus Gerhardinger e acredito que a mulher é quem pode transformar o mundo. É a mulher quem traz o cuidado, não só para a família, mas também para o seu ambiente de trabalho. Tenho certeza que o HSJosé não seria o mesmo sem a sensibilidade da mulher. Sensibilidade esta fundamental na recuperação da saúde”, garante Irmã Jesica.

No cuidado com os pacientes e seu ambiente de trabalho

Todos os dias ela chega com um sorriso largo e disposta a ajudar, cuidando das pessoas em seu próprio ambiente de trabalho. Casada, mãe de três filhos, duas mulheres e um homem, Raquel é do natural do Rio Grande do Sul e veio para Criciúma junto a família em busca de novas oportunidades.

Assim que se mudou para a cidade, resolveu buscar emprego no Hospital São José, pois já havia atuado na área hospitalar em sua cidade natal e viu aqui uma possibilidade de voltar ao mercado der trabalho. Selecionada, Raquel iniciou suas atividades na Instituição um mês após sua chegada e está na Entidade há quase três anos, desenvolvendo um papel fundamental e de extrema importância na área de higienização. Todos os dias ela deixa ainda mais perfumado e limpo o local de trabalho no setor administrativo do hospital.

Muito comunicativa e prestativa, Raquel faz parte das inúmeras mulheres que integram o quadro de colaboradoras da Instituição e que desempenham em conjunto o papel de mãe, esposa, profissional e amiga. Segundo ela, mesmo com tantas mudanças, o mundo precisa ainda de mais respeito. “Ainda vejo que o mundo precisa respeitar mais as mulheres, as pessoas como um todo, claro, mas isso precisa melhorar em nossa sociedade”, aponta a mãe, esposa, irmã, amiga e higienizadora do Hospital São José.

Gerenciando homens

Andréia Pizoni é sempre sorrisos. Animada, engraçada e extremamente falante, a mulher de 1,73m consegue gerenciar uma equipe de 10 pessoas no serviço de Tecnologia de Informação da entidade. Andreia trabalha exclusivamente e diretamente com homens em seu setor, mas não vê sua atividade como um desafio e sim como um propósito.

“Iniciei minhas atividades no hospital há 12 anos, e há 10 sou a responsável pelo setor. Mas vejo esta atividade com um trabalho em conjunto, e estou aqui para contribuir, então não vejo problema algum em trabalhar somente com homens, visto que estamos juntos para um único propósito, este é o sentido de quando trabalhamos em equipe”, comenta a especialista.

Mãe, esposa e gerente do serviço de Tecnologia de Informação (TI), especialista em governança de TI, Andréia também administra suas atividades em casa, quando o assunto é cuidar da família.

A mulher e suas múltiplas funções não eximem nenhuma função da mulher com o bom desempenho de suas mais diversas atividades, seja em sua vida profissional ou particular, todas em conjunto e sim, ao mesmo tempo.

Na especialidade onde a grande maioria são homens atuando

Denise Medeiros D´avila Búrigo, é médica do corpo clínico do Hospital São José, com especialidade em coloproctologia, a jovem cirurgiã já sabia que sua atuação seria para tratar doenças. Durante o período de residência médica em cirurgia geral no HSJosé, já tinha um grande interesse em procedimentos como cirurgias digestivas, intestinal, etc.

“Hoje sei que a coloproctologia tem esta possibilidade de realizar pequenos, médios e significativos procedimentos, seja no consultório ou atuando em grandes procedimentos para ajudar as pessoas”, declara.

Única especialista em coloproctologia no Sul de Santa Catarina, Dra Denise também divide seu tempo entre consultório, centro cirúrgico, vida pessoal com a chegada da primeira filha e esposa; funções que não se acumulam, mas se dividem com um cronograma bem elaborado e seguido a risca, para que tudo possa ser realizado da melhor maneira possível e com muito amor.

“Sabemos que ainda há preconceito por algumas pessoas sobre a capacidade de desempenharmos múltiplos papéis, mesmo sendo profissionais. A verdade é que fazemos isso muito bem. Acredito que este tipo de pensamento é algo muito cultural, porque em minha especialidade, por exemplo, as pessoas não estão acostumadas a serem atendidas por uma mulher. Hoje minha maior clientela é mulher e isso traz uma proximidade, pelo acolhimento e atenção”, relata a cirurgiã.

Desde sua decisão pela especialidade escolhida, Denise já sabia que seria uma rotina de muitos desafios, mas como mulher decidida e pronta para desafios, foi em busca de seus sonhos e hoje a agenda cheia e as palavras de gratidão no consultório, são as respostas para continuar desempenhando seu papel como uma profissional de qualidade.

“Hoje sei que por ter optado em desenvolver a minha carreira e manter a qualidade de vida é algo que tento desenvolver dentro de minha casa, assim vamos nos desenvolvendo e nos sentindo cada vez mais realizada”, finaliza Denise

Da rotina de uma cozinha para elaboração de mais de 1000 refeições diárias a vida em família

O dia de Vera começa cedo logo às 7h e com bastante intensidade. Líder um grupo responsável pela produção dos alimentos dentro da cozinha do Hospital São José, a colaboradora com 16 anos de atuação no mesmo setor, vê aquele local como sua cozinha, pois cuida de tudo como se fosse a sua casa.

“Eu amo o que faço e acho muito gratificante ver a evolução das coisas. Como era antes dentro da cozinha e as melhorias que temos hoje, ajudando e facilitando nosso trabalho, pois, aqui dentro, a produção nunca para. Precisamos estar sempre produzindo para oferecer alimentos aos colaboradores, médicos, direção, Irmãs, mas principalmente aos nossos pacientes”, aponta a chefe de cozinha.

Mesmo com o dia tão intenso e cheio de tarefas, Vera ainda tem um tempo para ajudar quem precisa, pois não se exime de ajudar outras pessoas dentro do seu setor, ou seja qual for. Prestativa e boa ouvinte, a mulher de olhar “forte” e mãos precisas, ainda tem tempo para ser uma boa filha, mãe, esposa e avó.

Todos estes exemplos de mulheres, representantes das mais diferentes profissões, colaboram diariamente para manter viva a Missão do HSJosé de prestar assistência hospitalar a todos, com excelência, sempre de forma integrada com a comunidade. Exemplos de força, coragem e sensibilidade que transformam o local onde atuam em um bom lugar onde mulheres desempenham suas funções com dedicação, profissionalismo e muito, muito amor.

Colaboração: Comunicação HSJosé 

Notícias Relacionadas

Governo sanciona Lei que autoriza farmácias e drogarias a receberem denúncias de violência doméstica contra a mulher

Ao receberem a denúncia, os atendentes devem comunicar imediatamente às autoridades competentes

Após realização do primeiro transplante renal do Sul do Estado, paciente tem alta do Hospital São José

Iasmin de Aguiar Possidonio, de 19 anos, teve alta na manhã desta terça-feira, dia 14 de janeiro

Homem é condenado por extorquir e divulgar “nudes” de mulher com quem teve namoro

O réu foi condenado a 14 anos, dez meses e 22 dias de reclusão, em regime fechado, além do pagamento de 40 dias-multa.

Mulher morre atropelada em Criciúma e motorista deve se apresentar à Polícia Civil

Vítima foi atingida e condutor não prestou socorro no domingo. Carro foi apreendido nesta segunda e advogado deve acompanhar suposto autor na delegacia.