Saúde

Municípios da AMREC começam a receber segunda dose da Coronavac

Aqueles que tomaram a vacina AstraZeneca devem tomar a segunda dose em 12 semanas

Divulgação

A Gerência Macrorregional de Saúde de Criciúma, receberam e estão distribuindo aos municípios da AMREC hoje (02/02) um novo lote de vacinas contra A Covid-19. Já é o terceiro lote de vacinas e o segundo da CoronaVac. No total são 3840 doses distribuídas aos doze municípios, totalizando 10.070, sendo que 7.190 são da vacina chinesa, que está sendo produzida com o Instituto Butantan.

Segundo a coordenadora da Vigilância Epidemiológica da Macro Sul de Saúde, Ângela Rosso, essas doses são para completar o esquema de vacinação, das primeiras pessoas já vacinadas com a CoronaVac, no dia 19 de janeiro, e que devem tomar a segunda doce entre 15 e 30 dias.

Aqueles que tomaram a vacina AstraZeneca devem tomar a segunda dose em 12 semanas.

Confira abaixo na tabela, a quantidade de doses da vacina que cada município deve receber:

Município CoronaVac – 19/01 Astrazeneca –26/01 CoronaVac – 02/02
Balneário Rincão 40 40 52
Cocal do Sul 72 60 84
Criciuma 2.113 1.810 2.350
Forquilhinha 96 80 130
Içara 311 260 377
Lauro Muller 92 80 111
Morro da Fumaça 96 80 108
Nova Veneza 83 70 95
Orleans 219 190 231
Siderópolis 77 70 126
Treviso 38 40 50
Urussanga 114 100 126
Total 3.350 2.880 3.840

Notícias Relacionadas

Monitora de estacionamento rotativo é agredida em Araranguá

Boletim de Ocorrência foi registrado nessa semana, na Polícia Civil de Araranguá.

Secretário faz balanço da atuação da força-tarefa de fiscalização do decreto

As equipes mobilizadas realizaram dezenas de orientações, mas também determinaram o encerramento de alguns eventos e aglomerações.

Homem furta trailer e se envolve em acidente em Orleans

Ocorrência foi registrada por volta das 00h30 desta quinta-feira (4)

“Internação por comorbidades, só de idosos, isso acabou. Agora é todo mundo”, diz presidente da Unimed Litoral

O grande volume de internações de pacientes com Covid-19 nos últimos dias tem causado preocupação nos hospitais privados do Estado.