Turismo

Museu ao Ar Livre de Orleans é reconhecido como patrimônio cultural brasileiro

O Conselho Nacional do Patrimônio Cultura do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan julgou a proposta catarinense de tombamento da instituição

Divulgação

Depois de mais três décadas de espera, finalmente, o Museu ao Ar Livre Princesa Isabel, localizado em Orleans, foi reconhecido, por unanimidade, como patrimônio cultural brasileiro. Nesta quarta-feira (12), o Conselho Nacional do Patrimônio Cultura do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan julgou a proposta catarinense de tombamento da instituição, processo foi iniciado em 1987.

O professor Elcio Willemann, presidente Fundação Educacional Barriga Verde e reitor do Centro Universitário Barriga Verde – Unibave, e a diretoria do Museu ao Ar Livre, Valdirene Böger Dorigon, acompanharam o julgamento em Brasília. A Febave é a mantenedora do espaço cultural. Muaria Cecília Londres Fonseca foi a relatora do processo, a mesma que deu o parecer favorável ao projeto do museu na implantação.

Após muita expectativa, o reconhecimento é muito comemorado. “O nosso museu merece muito esse reconhecimento. Esse espaço cultural riquíssimo agora ganha visibilidade nacional e abre diversas oportunidades, potencializa e dissemina a história e a memória dos imigrantes ”, declara Valdirene. “A história da imigração europeia no sul catarinense merecia esse reconhecimento, pois possui contribuição importantíssima para a formação do povo brasileiro”, completa.

O Museu ao Ar Livre Princesa Isabel é uma instituição de caráter tecnológico, histórico e documental que preserva, pesquisa e divulga a cultura material de diversas etnias, destacando um acervo proveniente da imigração em Orleans e região sul de Santa Catarina. A expressão “ao Ar Livre” corresponde à forma de apresentação do acervo num ambiente natural e ecológico, destacando o modo de vida dos colonizadores no início do século XX.

O que muda com o tombamento

Valdirene destaca que o espaço cultural já era tombado pelo Estado de Santa Catarina. “Já tínhamos esse reconhecimento estadual, agora, finalmente, podemos dizer que o Museu ao Ar Livre Princesa Isabel é um patrimônio do povo brasileiro”, comemora. Ela ainda explica que o tombamento, além de um reconhecimento, é uma proteção. “Ou seja, quando você torna um bem tombado, ele deve ser conservado e mantido para as próximas gerações. Faz com que a nossa história continue a ser contada por muitas e muitas gerações. Mantém a memória viva”, acrescenta.

O Decreto-Lei nº 25, de 30 de novembro de 1937, o patrimônio cultural é definido como um conjunto de bens móveis e imóveis existentes no país e cuja conservação é de interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico.

Saiba mais sobre o museu

Inaugurado em 30 de agosto de 1980, o Museu teve como principal idealizador o Pe. João Leonir Dall’Alba. É o primeiro do gênero na América Latina, instalado numa área de vinte mil metros quadrados de terra. As construções, de características tradicionais, abrangendo: capela, engenho de farinha de mandioca, estrebaria, galpão de serviços domésticos, cozinha de chão batido, casa do colono, cantina, meios de transporte, engenho de cana-de-açúcar, serraria pica-pau, oficinas artesanais, marcenaria, atafona, balsa, ferraria, monjolo e Centro de Vivências.

Além destas unidades citadas, também encontramos instalado nas dependências do Museu, a Casa de Pedra, que abriga o Centro de Documentação Histórica Plínio Benício (CEDOHI), salas de exposições e Laboratório de Conservação e Restauração (LACOR).

Divulgação

Notícias Relacionadas

Apoio ao candidato Vitorassi para eleição da Coorsel se intensifica durante reuniões com associados

Na noite de hoje (16), às 19h30min, os associados da comunidade de São Gabriel são convidados a participarem do encontro com os candidatos, em Treze de Maio.

Ex-secretário de Administração de Orleans e empresa tem bens bloqueados

Segundo o Ministério Público, Eduardo Bertoncini era responsável pela pasta na gestão do ex-prefeito Marco Antônio Bertoncini Cascaes

Índices de crimes caem bruscamente em Orleans

Segundo dados divulgados pela Polícia Civil, houve redução de 300% dos crimes de roubo e quase 30% do número de furtos.

Colisão frontal deixa dois em estado grave na SC-108, entre Orleans e Urussanga

Um dos motoristas ficou preso às ferragens e teve o carro cortado para ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros.