Segurança

Número de homicídios diminui menor na região da Amurel

O número de homicídios na Amurel nos primeiros meses de 2017 sofreu queda em comparação com 2016. De janeiro até agora, foram registrados 13 assassinatos, cinco a menos que no mesmo período do ano passado, quando 18 pessoas foram mortas.

A diminuição mais importante aconteceu em Laguna, cidade que vem apresentando, nos últimos anos, as maiores taxas de violência da região. O número caiu de oito para quatro no começo do ano.

Para o delegado Rubem Thomé, responsável pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Laguna, a queda está relacionada a uma ação específica da polícia, que conseguiu, nos últimos meses, desarticular os dois principais grupos criminosos em atuação na cidade, o Primeiro Grupo Catarinense (PGC) e o Primeiro Comando da Capital (PCC).

“Começamos a cumprir, a partir de outubro do ano passado, uma série de mandados de prisão preventiva. Isso resultou na prisão de 22 membros dessas facções. Depois disso, o que percebemos nas comunidades é que as facções foram desarticuladas”, afirma Rubem Thomé.

O delegado relata que a Polícia Civil conseguiu chegar aos membros dessas facções a partir do trabalho realizado ao longo de todo o ano passado, quando Laguna teve um total de 15 assassinatos, quase metade das mortes registradas em toda a Amurel, que somou 34 mortes. A maioria dos homicídios teve relação com a disputa por território para tráfico de drogas, travada entre os dois grupos criminosos.

“Fomos investigando a ação dos grupos na medida em que investigávamos os homicídios, uma coisa foi se encaixando na outra. No fim do ano, pedimos as prisões preventivas e conseguimos cumpri-las”, detalha o delegado Rubem Thomé.

Apesar da diminuição nos homicídios, muitos membros das facções continuam atuando. Algumas das mortes registradas neste ano são atribuídas a esses grupos criminosos.

TUBARÃO É A ÚNICA A REGISTRAR AUMENTO

Na contramão da tendência regional, Tubarão foi a única cidade onde houve crescimento, passando de dois homicídios nos primeiros meses de 2016 para cinco em 2017.

Mesmo assim, a Cidade Azul figura entre as 41 cidades de Santa Catarina com as menores taxas de homicídio por grupos de 100 mil habitantes, segundo dados do Atlas da Violência 2017, feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

As outras cidades que também tiveram queda nos homicídios foram Imbituba, Sangão e Jaguaruna. Em Imbituba, foram quatro homicídios no período em 2016 contra dois neste ano. Já Sangão e Jaguaruna tiveram uma morte cada no ano passado e neste ano não registraram homicídio.

Também presentes na lista, Capivari de Baixo e Braço do Norte mantiveram os registros de 2016, com um assassinato cada até o momento.

Com informações do Jornal Diário do Sul

Notícias Relacionadas

Taxa de homicídios diminui em Criciúma

Dados da Polícia Militar mostram que, em 2017, a cidade registrou sete vítimas a menos em comparação a mesma época de 2016.

“O que tem de prevalecer é a força do voto do cidadão”, diz Moisés

O governador avaliou ser injusta a decisão pelo prosseguimento do processo de impeachment.

Tire suas dúvidas sobre as eleições municipais 2020

Presidente do TRE-SC, desembargador Jaime Ramos, apresentou os principais pontos das eleições que acontecerão em meio à pandemia.

Homem é preso por contrabando de mais de 3 mil maços de cigarros paraguaios em Laguna

No local onde os produtos eram vendidos, os policiais recolheram sete caixas dos cigarros e apreenderam mais unidades na casa do homem.