Geral

O que explica o aumento no preço do tomate e o impacto no bolso do catarinense

Consumidores percebem alta no tomate e pimentão e especialistas trazem explicações para justificar a disparada que chega, agora, aos hortifrutigranjeiros.

Divulgação

O preço da carne afasta cada vez mais a proteína do prato do brasileiro, com isso, a ida à verdureira se tornou mais frequente. Mas o momento também exige cautela, pois os preços dos hortifrutigranjeiros não estão muitos atraentes ao bolso do consumidor, principalmente tomate e pimentão. No Direto do Campo, na quarta-feira (20), Valdemir Bento pretendia gastar, no máximo, R$ 30.

“No caso das verduras, o tomate principalmente, mas no geral está complicado. Precisamos deixar algumas coisas e mudar hábitos”, conta Bento, que tem três familiares em casa e abriu mão das compras mensais. “Hoje vou levar limão para fazer limonada e batata para fazer purê, fritas e ensopado”, diz.

O engenheiro eletricista aposentado José Silveira mora com a mulher e entende que a alta ocorre em função da pandemia. Diz que a família consome sempre a mesma coisa e só o básico. “Acho que tudo subiu, alguns um pouco mais, pelo fato de serem alimentos de difícil plantio, como o tomate, que precisa de controle maior”, avalia.

A recepcionista Jussara Bernardes mora com a filha de 13 anos. Também compra apenas o básico e está diminuindo itens ao comprar verduras. O tomate, quase R$ 9 o quilo, ela olhou, mexeu, mas não levou.

De acordo com o supervisor do Direto do Campo, Liseu Cardoso, todos os hortifrútis tiveram alta. Entre os fatores, cita a dificuldade dos caminhoneiros para entregar os produtos, pela alta nos combustíveis. “Encareceu bastante o tomate, pela questão dos combustíveis e da produção”, disse Cardoso. Os demais hortifrútis aumentaram.

Ele diz que o preço do tomate disparou mesmo no último mês, mas não observa impacto nas vendas. “No meio deste ano estava R$ 4,99 e chegou no máximo a R$ 5,99. Mas nem com esse preço deixamos de vender”, ressalta.

As explicações para o aumento no tomate e pimentão

O pesquisador da estação experimental da Epagri em Caçador, Leandro Hahn, está em contato direto com produtores e compradores de tomate. “Nessa época, Santa Catarina produz somente 20% do tomate que consome, os outros 80% vêm do Sudeste”, explica.

O Estado é autossuficiente de janeiro a abril, com destaque para as regiões de Caçador, além de Bom Retiro e Urubici. Na Grande Florianópolis, Santo Amaro da Imperatriz e Antônio Carlos também produzem.

Sobre a alta do preço, segundo ele, são três fatores. Eles abrangem também o aumento do pimentão, que passa dos R$ 20. “Um dos principais motivos é a produção menor nas regiões que produzem atualmente. O produtor de tomate – e pimentão não é diferente -, vem de um ano com baixa rentabilidade. Quem vendeu tomate no inverno e outono se descaptalizou”, ressalta Hahn.

Ele diz que os produtores estão há dois anos com a rentabilidade baixa na cultura do tomate. “O tomaticultor que plantava 10 hectares para colher nessa época, plantou cinco, porque não tinha capital”. O aumento na demanda e no custo de insumos também são fatores decisivos.

“Temos insumos que subiram até 50%. Então, se o produtor está com pouco dinheiro, porque ficou no prejuízo, e essa mesma lavoura custa o dobro, a oferta acaba diminuindo”, diz.

A expectativa é que o tomate continue com preço alto no curto prazo, com possibilidade de redução somente no verão, voltando a casa dos R$ 5 a R$ 6. “O produtor que está vendendo tomate agora está ganhando dinheiro, mas ele tem primeiro que pagar as contas do ano passado. Na prática, não está sobrando”.

O economista Lauro Mattei, professor da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), também atribui a variação de preço dos hortifrutigranjeiros à sazonalidade. “Pimentão e tomate não são commodities internacionais e variam muito conforme a demanda e a oferta no mercado interno”, explica.

Porém, ele acredita que esse fator não justifica aumento, porque não houve quebra de safra entre 2019 e 2021. “No processo inflacionário, todos os agentes econômicos vão tentar se defender e jogar o preço de acordo com os custos”, diz Mattei.

Ele usou o exemplo hipotético de um plantador de tomate que vem de Antônio Carlos duas vezes por semana vender produtos em Florianópolis. “Há três meses, o custo para transportar os alimentos era um, hoje é outro, em função da elevação no custo do combustível”, enfatiza.

O diretor do Procon-SC, Tiago Silva Mussi, promete visitar os estabelecimentos da região nos próximos dias para verificar se a alta é abusiva.

No mercado também subiu

O preço do tomate não disparou só na feira. Nos supermercados, também está nas alturas. No Imperatriz, o preço extrapola os R$ 9. Antonio da Silva e Dalva de Aguiar da Silva completam 50 anos de casamento no sábado (23) e, por isso, compraram carne graúda para comemorar a data em família e, na ida ao mercado quarta-feira, escolhiam os acompanhamentos.

“Normalmente, não compraríamos isso tudo, mas é ocasião especial, para fazer um jantar em casa “, diz o taxista aposentado. Dalva observa que tudo está mais caro e deixou de comprar produtos menos necessários.

“Essa alta pesa no orçamento. Tem que fazer uma manobra para vencer. Esperamos que pare por aqui”, comenta Antonio. Enquanto muitos fatores contribuem para a alta, o consumidor segue fazendo escolhas, mexendo na dieta e garantindo o que é possível na mesa.

Com informações do site ND Mais

Notícias Relacionadas

Tribunal de Justiça catarinense confirma pena para empresário que vendeu pipoca com rato dentro em Criciúma

Uma das vítimas, após ingerir a pipoca, teve intoxicação alimentar aguda causada por alimento contaminado.

Com apoio da Fapesc, startup catarinense vai produzir tecido pulmonar in vitro para testes de Covid-19

O material servirá para analisar a ação do novo coronavírus no pulmão, assim como confirmar a eficiência de medicamentos na cura da doença.

Coronavírus em SC: Governo edita Medida Provisória que garante auxílio financeiro ao setor cultural catarinense

No total, serão destinados R$ 4 milhões para pagamento dos benefícios, dos quais R$ 2 milhões são de devolução do Duodécimo pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

Em visita ao estado, ministro da Saúde elogia política catarinense de enfrentamento à pandemia

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, participou de uma reunião de trabalho com o governador Carlos Moisés e outras autoridades catarinenses na Casa D´Agronômica na manhã desta quarta-feira, 22.