Geral

ONU: 2020 poderá ser o segundo ano mais quente da história

Previsão é do relatório Estado do Clima Global

Divulgação

O ano de 2020 está a caminho de se tornar o segundo mais quente da história, só ficando atrás de 2016, disse a Organização Meteorológica Mundial (OMM) nesta quarta-feira (2).

Atualmente, cinco conjuntos de dados colocam 2020, caracterizado por ondas de calor, secas, incêndios florestais e furacões intensos, como o segundo mais quente desde que os registros começaram, em 1850.

“[O ano de] 2020 muito provavelmente será um dos três anos mais quentes registrados globalmente”, afirmou a agência da Organização das Nações Unidas (ONU), sediada em Genebra, em seu relatório Estado do Clima Global 2020.

Estimulados pelo calor extremo, incêndios florestais arderam na Austrália, na Sibéria e nos Estados Unidos neste ano, espalhando colunas de fumaça pelo planeta.

Menos visível foi uma disparada de calor marinho em níveis recordes – mais de 80% dos oceanos globais tiveram uma onda de calor, acrescentou a OMM.

“Infelizmente, 2020 foi mais um ano extraordinário para o nosso clima”, disse o diretor-geral da OMM, Petteri Taalas, pedindo mais esforços para conter as emissões que estão provocando a mudança climática.

As concentrações de gases de efeito estufa atingiram novo recorde em 2019, e neste ano continuaram subindo, apesar de uma queda de emissões esperada devido aos lockdowns estabelecidos por causa da covid-19, disse a OMM no mês passado.

Notícias Relacionadas

Aedes Aegypti: mosquito da dengue gera alerta em Criciúma

De 2019 para o ano seguinte houve um aumento de 444% no número focos. Os maiores registros vêm dos bairros Próspera e Nossa Senhora da Salete.

CCR ViaCosteira informa desvio no tráfego da BR-101 na região de Araranguá

A CCR ViaCosteira está atenta ao fluxo de veículos, por isso realiza os serviços em horários que causem o menor impacto possível.

Siderópolis registra 20ª morte pela Covid-19

A mulher apresentava comorbidades

Grandes nomes do Skate confirmados no STU National

Evento inicia nesta quinta-feira em Criciúma (SC). Seguindo todos os protocolos sanitários, disputa abre o calendário brasileiro, nas modalidades street e park, e vale pontos na corrida olímpica