Segurança

Operação Rainha de Copas: Contratos, celulares e carros de luxo são apreendidos em mansão e triplex em SC

Mandados de busca e apreensão foram cumpridos na manhã desta quarta-feira (14)

Divulgação

As polícias civis de Santa Catarina e do Rio de Janeiro apreenderam, na manhã desta quarta-feira (14), documentos, carros de luxo e celulares ao cumprir mandados de busca e apreensão em imóveis alugados em Florianópolis e Balneário Camboriú. A ação faz parte da Operação Rainha de Copas, contra ex-aliados do traficante Léo do Aço, assassinado em 2019, dois anos após fechar um acordo de delação.

Suspeita de gerenciar o espólio de Léo do Aço, uma mulher de 35 anos apontada como ‘herdeira do tráfico’ foi alvo da operação em Jurerê Internacional nesta manhã. No local, foram apreendidos dois carros, documentos, celulares e contratos. Segundo a Polícia Civil, ela e outros supostos responsáveis pela lavagem de dinheiro do tráfico de drogas da maior organização criminosa do Rio de Janeiro levam uma vida de luxo em Santa Catarina, com lanchas, mansões, carros conversíveis e viagens.

Além da casa alugada em que mora no bairro nobre da Capital, a mulher também tem à disposição um triplex em Balneário Camboriú, no Litoral Norte do estado. Segundo o delegado Gabriel Poiava, com os mandados, a polícia espera reunir documentos que expliquem a atividade financeira do grupo.

“Os alvos estavam aqui em Santa Catarina, apresentavam vida de luxo, ostentavam riquezas. Eles moravam em mansões aqui em Santa Catarina, inclusive também mansões na Barra da Tijuca, moraram também em São Conrado”, disse o delegado.

Durante as diligências nos dois imóveis alugados nas cidades catarinenses, os agentes encontraram contratos dos imóveis e outros documentos. A Polícia Civil do Rio de Janeiro também reuniu dados de contas bancárias de alguns dos investigados.

Além dos dois endereços em Santa Catarina, a Operação Rainha de Copas cumpre outros mandados de busca e apreensão contra suspeitos de envolvimento com lavagem de dinheiro do tráfico de drogas no Rio de Janeiro. A operação ocorre na Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Campo Grande, Vila da Penha, São Conrado e Mangaratiba.

No total, a Vara Especializada de Combate ao Crime Organizado do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou o sequestro de cerca de R$ 7,3 milhões em contas bancárias, além de apreensões de bens.

Empresas de fachada

Segundo o delegado a polícia chegou até a mulher após descobrir movimentações milionárias nas contas dela e de seu ex-marido, ex-PM do Batalhão de Operações Especiais (Bope), a tropa de elite da Polícia Militar do Rio de Janeiro. Ele está preso, mas também movimentava dinheiro em contas.

O atual marido da mulher é investigado e foi alvo da Polícia Civil em Santa Catarina. Ele também é policial militar no estado do Rio de Janeiro e está licenciado.

“Ela abriu algumas empresas que a gente acredita que sejam empresas de fachada para com o objetivo de realmente lavar o tráfico de drogas e parte desse dinheiro é utilizado para ostentar a vida de luxo”, disse Poiava.
Nas investigações, os agentes encontraram empresas suspostamente de fachada em nome da mulher. Entre os estabelecimentos está uma empresa de material descartável, que movimentou R$ 2,5 milhões nos últimos três anos.

Segundo a polícia, os integrantes da organização criminosa são responsáveis por movimentar aproximadamente R$ 15 milhões nos últimos anos em suas contas bancárias.

Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

Vereadores de Orleans aprovam Projeto de Lei, Moção, Requerimento e Indicações

Em live, empresário responderá questionamentos sobre obra paralisada em Orleans

Live com proprietário da empresa responsável pela revitalização da escadaria será nesta quarta-feira, dia 12, a partir das 21h, pelo Facebook.

Aprovação de quatro projetos e treze proposições marcam sessão do Legislativo de Lauro Müller

Criciúma: Procon alerta para golpe de dados pessoais e cartão físico

Se passando por funcionários de um banco, os golpistas ligam para confirmar uma compra no cartão da pessoa e para solucionar a situação, eles recomendam uma ligação para o banco.