Esporte

Os 15 anos sem Mahicon Librelato

Jogador morreu no dia 28 de novembro de 2002, em acidente na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis.

Esporte - Mahicon Librelato do Criciúma 3 X 3 Joinville.- (FotoEsporte - Mahicon Librelato do Criciúma 3 X 3 Joinville.- (Foto

Mahicon Librelato do Criciúma 3 x 3 Joinville. – (Foto Ulisses Job – Ciriciúma/SC – 26/05/2001) – DC.

O dia 28 de novembro é de luto para o Criciúma Esporte Clube. Foi neste dia, há 15 anos, que o mundo do futebol se despedia de Mahicon Librelato. Formado nas categorias de base do Tigre, o atacante, que na época tinha 21 anos, jogava no Internacional (RS), e perdeu a vida em um acidente na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis.

O carro que estava dirigindo perdeu o controle em uma curva próxima à Ponte Hercílio Luz e foi jogado para dentro do mar. Na época, não havia o guard-rail, que foi colocado no local após o acidente. A morte de Mahicon foi dada por parada cardio-respiratória. Os outros dois ocupantes do veículo foram salvos.

Nascido em Orleans em 30 de março de 1981, o atleta iniciou sua trajetória no futebol ainda criança, quando jogava futsal pelo time da cidade. O desempenho de Mahicon no salão chamou a atenção de olheiros do Criciúma, que logo o levaram para as categorias de base do Tigre.

Chegou ao clube em 1994 e se profissionalizou três anos mais tarde, mas o atacante se destacou mesmo no ano de 2001, quando foi artilheiro do Campeonato Catarinense. Foi ele que salvou o Criciúma do rebaixamento para a Série C ao marcar um gol, com ombro deslocado, contra o Sergipe.

Mahicon vivia o melhor momento da carreira. Depois de ter sido sondado por Cruzeiro e Grêmio, foi comprado pelo Inter após uma longa negociação. Ficou no colorado menos de um ano, tempo suficiente para tornar-se um dos heróis daquela temporada.

Foi dele o primeiro gol do Inter na vitória por 2 a 0 sobre o Paysandu, no Mangueirão, em 17 de dezembro de 2002 – 11 dias antes do acidente. O placar do jogo livrou o colorado do rebaixamento naquele ano.

Último adeus

Foto: Divulgação

O sepultamento foi realizado em Orleans. Centenas de pessoas acompanharam o enterro na tarde do dia 29 de dezembro.

O então presidente do Inter, Fernando Carvalho, compareceu ao funeral e decretou luto de três dias no Estádio Beira-Rio.

Também estiveram presentes jogadores colorados, como o zagueiro Chris e o atacante Daniel Carvalho, atletas do Criciúma e amigos de Mahicon.

Com informações do Portal DN Sul

Notícias Relacionadas

Associação Atlética de Orleans precisa de apoio para fazer ainda mais história no futebol orleanense

Atleta de Nova Veneza é campeã do nacional de atletismo escolar em Natal

Larissa da Silva Lúcio, de 16 anos, competiu em duas provas: salto em altura e 800 metros

Próspera lança plano de sócio para a temporada

Neste primeiro momento, três tipos de modalidades estão disponíveis para a torcida.

“Meu principal objetivo é o trabalho social”, afirma presidente do time profissional de futebol de Orleans