Esporte

Os 15 anos sem Mahicon Librelato

Jogador morreu no dia 28 de novembro de 2002, em acidente na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis.

Esporte - Mahicon Librelato do Criciúma 3 X 3 Joinville.- (FotoEsporte - Mahicon Librelato do Criciúma 3 X 3 Joinville.- (Foto

Mahicon Librelato do Criciúma 3 x 3 Joinville. – (Foto Ulisses Job – Ciriciúma/SC – 26/05/2001) – DC.

O dia 28 de novembro é de luto para o Criciúma Esporte Clube. Foi neste dia, há 15 anos, que o mundo do futebol se despedia de Mahicon Librelato. Formado nas categorias de base do Tigre, o atacante, que na época tinha 21 anos, jogava no Internacional (RS), e perdeu a vida em um acidente na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis.

O carro que estava dirigindo perdeu o controle em uma curva próxima à Ponte Hercílio Luz e foi jogado para dentro do mar. Na época, não havia o guard-rail, que foi colocado no local após o acidente. A morte de Mahicon foi dada por parada cardio-respiratória. Os outros dois ocupantes do veículo foram salvos.

Nascido em Orleans em 30 de março de 1981, o atleta iniciou sua trajetória no futebol ainda criança, quando jogava futsal pelo time da cidade. O desempenho de Mahicon no salão chamou a atenção de olheiros do Criciúma, que logo o levaram para as categorias de base do Tigre.

Chegou ao clube em 1994 e se profissionalizou três anos mais tarde, mas o atacante se destacou mesmo no ano de 2001, quando foi artilheiro do Campeonato Catarinense. Foi ele que salvou o Criciúma do rebaixamento para a Série C ao marcar um gol, com ombro deslocado, contra o Sergipe.

Mahicon vivia o melhor momento da carreira. Depois de ter sido sondado por Cruzeiro e Grêmio, foi comprado pelo Inter após uma longa negociação. Ficou no colorado menos de um ano, tempo suficiente para tornar-se um dos heróis daquela temporada.

Foi dele o primeiro gol do Inter na vitória por 2 a 0 sobre o Paysandu, no Mangueirão, em 17 de dezembro de 2002 – 11 dias antes do acidente. O placar do jogo livrou o colorado do rebaixamento naquele ano.

Último adeus

Foto: Divulgação

O sepultamento foi realizado em Orleans. Centenas de pessoas acompanharam o enterro na tarde do dia 29 de dezembro.

O então presidente do Inter, Fernando Carvalho, compareceu ao funeral e decretou luto de três dias no Estádio Beira-Rio.

Também estiveram presentes jogadores colorados, como o zagueiro Chris e o atacante Daniel Carvalho, atletas do Criciúma e amigos de Mahicon.

Com informações do Portal DN Sul

Notícias Relacionadas

Associação Atlética de Orleans precisa de apoio para fazer ainda mais história no futebol orleanense

Próspera lança plano de sócio para a temporada

Neste primeiro momento, três tipos de modalidades estão disponíveis para a torcida.

Atleta de Nova Veneza é campeã do nacional de atletismo escolar em Natal

Larissa da Silva Lúcio, de 16 anos, competiu em duas provas: salto em altura e 800 metros

Homenagens marcam um ano da tragédia com a Chapecoense