Segurança

Pai que abusava da filha é condenado a mais de 35 anos de prisão no Alto Vale do Itajaí

O homem teve prisão preventiva decretada

Divulgação

Um homem que abusava da própria filha foi sentenciado por estupro de vulnerável e estupro qualificado, nesta quarta-feira (2), em Taió, com pena de 35 anos, cinco meses e 18 dias de prisão. Ele não terá o direito de recorrer da sentença em liberdade. A vítima, que era menor de idade, sofreu os abusos durante dois anos dentro da casa da família.

Durante o processo, que tramita em segredo de justiça, a vítima chegou a pedir um novo depoimento para desmentir que os estupros tivessem acontecido. Porém, de acordo com o juiz Jean Everton da Costa, não há dúvidas de que os crimes ocorreram.

A tentativa da menina de recuar na denúncia se deve ao fato de o pai ser a principal fonte de renda da casa, o que teria deixado a família em dificuldades financeiras com a prisão do acusado.

A vítima também não recebeu apoio familiar durante o processo. A mãe teria negado a existência dos abusos, que ocorriam enquanto ela saía para trabalhar.

A menina foi encaminhada para tratamento psicológico imediato na rede pública e, por determinação do juiz, que decidiu tratar o caso com urgência, não deve passar por filas de espera para receber o atendimento.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Servidores públicos da Prefeitura de São Ludgero recebem a partir de março 4,52% de reposição salarial

A reposição é com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e não são contemplados secretários municipais, vice-prefeito e prefeito.

Vacinação em SC: Doses que chegaram ao estado nesta quarta são distribuídas

Na maior parte dos municípios, as doses serão utilizadas para imunizar trabalhadores da saúde e idosos entre 80 e 84 anos.

Paço Municipal de Braço do Norte fará atendimento remoto nesta quinta e sexta-feira

A medida é necessária para que os servidores passem por testagem, já que novos casos de infecção por Covid-19 surgiram no local.

Ensino superior e a oportunidade de trabalhar no exterior

Hilton Silva, de 30 anos, mudou-se para Portugal em 2020