Trânsito

‘País vai parar novamente’, alerta líder de caminhoneiros após encarecimento do diesel

Federação das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de SC alega que ação pode resultar em reajuste de até 9% no frete

Foto: Tânia Rêgo

A alta anunciada pela Petrobras, nesta sexta-feira (17), para o diesel e gasolina a partir deste sábado (18) gerou revolta em diversos setores da sociedade, especialmente voltado ao transporte.

Entre eles, o presidente da Abrava (Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores), Wallace Landim, conhecido como Chorão, destacou que o grupo recebeu com “indignação a informação de nova alta dos combustíveis após 39 dias do último aumento”.

Além de criticar o atuação do presidente da República, Jair Bolsonaro, e do ministro da economia, Paulo Guedes, chorão alertou para os riscos de falta de diesel e greve.

“A verdade é que, de uma forma ou de outra, mantendo-se essa política cruel de preços da Petrobras, o país vai parar novamente. Se não for por greve, será pelo fato de se pagar para trabalhar. A greve é o mais provável. Essa luta não é só dos caminhoneiros, mas de todo o povo brasileiro”, complementa Chorão.

Já em nível estadual, a Fetrancesc (Federação das Empresas de Transporte de Cargas e Logística no Estado de Santa Catarina) também, por meio de nota, demonstrou insatisfação com o aumento.

“A mudança gera enorme impacto negativo na prestação de serviços do Transporte Rodoviário de Cargas do País, responsável pela logística de mais de 60% de tudo o que se produz e consome no Brasil”, destaca a federação.

De acordo com dados do Decope (Departamento de Custos Operacionais e Pesquisas Técnicas e Econômicas da NTC&Logística), o diesel representa até 60% do valor dos fretes nas cargas lotação.

A federação também alertou a necessidade de maior preocupação por parte da Petrobras e do governo federal em relação aos cuidados para reduzir a inflação e complementou afirmando que o transportador “chegou no seu limite”

“A Fetrancesc entende que em um momento de crise generalizada, a Petrobras e o governo federal deveriam ter uma preocupação maior para reduzir a inflação e equilibrar a economia”, complementa.

Por conta disso, a federação alega que o aumento resultará em um reajuste de 5% a 9% nos fretes e orienta a revisão do conceito de política de preços da paridade internacional.

Vale lembrar que a Petrobras anunciou na manhã desta sexta-feira o reajuste para o diesel e gasolina a partir de sábado. O valor médio de venda da gasolina terá alta de 5,2%. Para o diesel, o reajuste será de 14,3%.

A gasolina, que não sofria reajuste há 99 dias, passará de R$ 3,86 para R$4,06 por litro no preço vendido às distribuidoras. Já o diesel, que não era reajustado desde 10 de maio (39 dias), passará de R$4,91 para R$5,61 por litro.

Como resultado, as ações da Petrobras fecharam em queda de 2,9% no Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3). Além disso, a bolsa desceu abaixo dos 100 mil pontos.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Procon autua posto de combustíveis por preço abusivo em Criciúma

Operação irá fiscalizar 40 estabelecimentos do município, três já foram autuados.

Já estão em vigor as novas regras do frete mínimo para caminhoneiros

O cálculo do frete mínimo agora abrange 11 categorias

Postos já registram falta de gasolina e diesel, em Orleans e Lauro Müller

Petrobras reduz novamente preços da gasolina e do diesel em refinarias

No acumulado do ano, preço da gasolina caiu 48,2% e o do diesel 35,4%