Geral

Pão e macarrão podem ficar mais caros em SC com onda de calor na Índia

Segundo maior produtor de trigo do mundo, país bloqueou as exportações do produto por conta da seca

Divulgação

A onda de calor intensa na Índia, que levou os termômetros a registrarem 50°C, pode afetar a economia de Santa Catarina e deixar alguns alimentos mais caros, como pão e macarrão. Isso porque o país é o segundo maior produtor de trigo no mundo, atrás apenas da China, e decidiu bloquear as exportações do produto para controlar os preços no mercado interno.

Apesar do Brasil não ser importador do trigo da Índia, o valor do produto no mercado internacional deve aumentar, depois que o país bloqueou as exportações no último sábado (14), já que a produção interna foi afetada com a seca. O efeito desse aumento atinge também Santa Catarina.

A alta no preço do trigo já havia sido registrada em todo o mundo por conta da guerra entre Rússia e Ucrânia, explica o economista da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Pablo Bittencourt.

— Nos últimos meses, o preço do trigo subiu muito no mercado internacional, por causa da guerra entre Rússia e Ucrânia, que são dois dos maiores produtores mundiais. E aí a produção brasileira foi direcionada às exportações. A gente exportou mais trigo no primeiro trimestre de 2022, do que em todo o ano de 2021 — explica.

E o economista acrescenta:

— Imagina o impacto disso no segundo maior produtor mundial, que é a Índia. Vai cair a oferta mundial de trigo, deve haver escassez, e isso vai aumentar mais o preço.

Com isso, produtos à base de trigo, como as massas e pães serão diretamente afetados. Além disso, segundo o economista, a carne bovina também pode ter impacto, já que o produto é usado para alimentação do gado.

Mercado de trigo em SC e no Brasil

O Brasil produz cerca de 6 milhões de toneladas por ano, mas consome mais de 12 milhões de toneladas ao ano. Santa Catarina, neste ano, deve produzir cerca de 350 mil toneladas, destaca o vice-presidente da Faesc, Enori Barbieri. Ou seja, o país depende muito das importações.

O produto é importado principalmente da Argentina, já que o custo de transporte é menor, e, em menor quantidade de países como Paraguai, Uruguai e Estados Unidos.

Com isso, os preços aplicados no mercado internacional impactam diretamente aqui, o que pode fazer a inflação disparar ainda mais nos próximos meses. Para o economista Pablo Bittencourt, o preço do trigo deve continuar alto, por causa da guerra entre Rússia e Ucrânia. O caso da Índia é mais um agravante.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Pesquisa inédita de geração de energia tem bons resultados em Santa Catarina

Estudo desenvolvido no Sul do Estado busca tecnologia viável economicamente para realizar a captura de dióxido de carbono em indústrias de geração de energia a base de carvão

Morte de duas crianças em condomínio de Criciúma é investigada

Equipes da Vigilância Sanitária encontraram fezes de rato e barata em duas caixa d'águas próximas ao local

Ciclista é atropelado por motorista em fuga que transportava 211 kg de droga em SC

Segundo informações da PRF, o motorista foi preso; o caso aconteceu em Joinville, no Norte do estado

SC tem mínima abaixo de -3ºC e geada no 1º dia de julho

Em Bom Jardim da Serra, às 6h os termômetros marcaram -3,41ºC. Em São Joaquim, a míníma foi de -3,2ºC na localidade do Vale do Caminhos da Neve.