Geral

Pedreiro encontra carta de 1969 durante reforma de prédio público em Morro da Fumaça

Documento é assinado pelo primeiro prefeito eleito da cidade, Jorge Silva, e elenca principais nomes de autoridades da época

Foto: Prefeitura de Morro da Fumaça

O trabalho na obra de reforma do Complexo Municipal de Morro da Fumaça, no Sul de Santa Catarina, decorria normalmente na manhã da última terça-feira (16), quando o pedreiro Esveraldo Brasilicio percebeu que existia algo importante entre os pedaços de madeira: uma carta datada de 1969.

Ele removia materiais da parte que corresponde ao antigo plenário da Câmara de Vereadores, que fica no edifício anexo ao prédio da Prefeitura de Morro da Fumaça.

“Estava removendo as tábuas e de repente estava ali, em pé na face da parede. Essa estrutura era tipo um tablado de madeira. Assim que vi, parei o trabalho e peguei o papel para ver o que era. Foi uma surpresa!”, relata Brasilicio.

Carta assinada pelo primeiro prefeito eleito de Morro da Fumaça

Datado de 1º de janeiro de 1969, o documento é assinado pelo segundo prefeito de Morro da Fumaça, Jorge Silva, o primeiro eleito entre as 16 administrações apontadas para comandar a municipalidade. A carta, escrita à mão, com caneta de cor azul, em um pedaço de papelão, faz um registro histórico vivenciado pela cidade e elenca o nome das principais autoridades da época.

Com a assinatura devidamente reconhecida pela Administração Municipal, o documento, conforme o prefeito, Agenor Coral, é um achado histórico que será preservado e incluído na galeria do hall de entrada da Prefeitura de Morro da Fumaça.

“Isso faz parte da nossa história e deve receber o tratamento que merece. Desde o início das tratativas para a reforma defendi a preservação das características antigas da obra. Esse achado só reforça que fizemos a escolha certa. Vamos encaminhar o elemento para que seja feito o trabalho de restauro e preservação, para que depois possa ficar exposto na galeria da sede administrativa”, detalha o prefeito.

O hábito de fazer registros históricos, conforme a família, era um hobby de Jorge Silva. Segundo Rodney Félix Silva Júnior, um dos netos do ex-prefeito, a carta encontrada no edifício do legislativo fumacense é apenas uma de várias que o político deve ter deixado pela cidade.

“Gostava de preservar a história”, diz neto do ex-prefeito

“Que incrível! O vô fazia isso em muitas coisas. Ele tinha o costume de fazer essas cápsulas do tempo. Ele fez isso na minha frente, pegou um pedaço do jornal do dia e colocou na parede do antigo cartório, onde hoje é uma sala comercial”, relembra.

O neto acredita que o avô tenha feito isso em outras obras do município. “Ele era muito culto, gostava de preservar a história, e deve ter feito isso com o objetivo de transmitir a informação para as gerações futuras e deixar registrado o trabalho que se teve para desenvolver o município”, acrescenta.

Filha do ex-vereador e ex-prefeito, Getulio Pagnan, um dos nomes citados na carta, Rosângela Pagnan Maragno, a Danda, atual diretora do Departamento de Cultura do município, rememorou algumas lembranças ao ler o documento. “De certa forma estamos revivendo aquele momento. O Jorge Silva, a exemplo de diversas outras lideranças do nosso núcleo político, sempre trabalhou pelo desenvolvimento da cidade. Estar aqui, hoje, dando continuidade a esse esforço, é muito gratificante”, compartilha.

Além de prefeito de Morro da Fumaça, entre os anos de 1963 a 1969 e 1977 a 1983, Jorge Silva foi fundador e primeiro presidente da Cermoful, participou da construção da igreja matriz de Morro da Fumaça, fundou o Hospital de Caridade São Roque e foi um dos responsáveis pela implantação da primeira escola pública do município. Ele morreu em fevereiro de 2011, aos 84 anos.

“Sou apaixonado por cultura e pela história de Morro da Fumaça, estar vivenciando esse momento nos emociona, é algo que precisa ser compartilhado com toda a população fumacense. Cabe a nós, atuais gestores do município, resgatar essa memória e preservar o legado de quem passou por aqui e ajudou a construir a história do nosso município”, pontua o vice-prefeito, Eduardo Guollo.

Confira a transcrição literal do relato histórico

“Este edifício foi construído na gestão do prefeito Jorge Silva começado em março de 1967 e terminado em 31-1-1969.Sendo governador do estado o Dr Ivo Silveira. Presidente da Republica Marechal Arthur da Costa e Silva. Presidente da Câmara Municipal Lyrio Frasson.

Vereadores

Getulio Pagnan

Antonio Maccari

Miguel Novacoski

Otavio Naspolini

Alberto Padoin

Vigário da Paróquia.

Monsenhor Ludgero Watekemper

Juiz de Paz

Verginio Maccari

Delegado de Polícia

Antonio Silva

Foi progetado pelo arquiteto Antonio Jorge Carneiro

Foi construtor responsável o Sr. Euclides Piva

Escrita do dia 1-1-69 nos poucos minutos que estive em visita a óbra

Jorge Silva

Prefeito Municipal”.

Andamento das obras

A demolição de parte da estrutura interna do prédio da Câmara de Vereadores é uma das etapas da reforma e revitalização do Complexo Municipal, iniciada em maio de 2023. Além de sanar problemas estruturais, o projeto tem como um dos objetivos principais realizar adequações voltadas à acessibilidade.

Construída na década de 60 e inaugurada em 1970, a estrutura, desde então, passou somente por pequenas reformas, sendo a última em 2012.

Conforme a engenheira, essa é a primeira vez que é surpreendida com a informação de que foi encontrado algum elemento histórico ou estrutura que não consta no projeto em obras sob sua supervisão.

“Trabalhamos com a premissa de que qualquer detalhe fora do previsto seja reportado ao engenheiro responsável pela obra, para que seja adotado o melhor encaminhamento. Assim que tomei conhecimento do que se tratava, busquei garantir que o item fosse preservado e comuniquei a Administração Municipal”, esclarece.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Ao celebrar 25 anos, Carbonífera Catarinense reafirma o compromisso com a comunidade

Trajetória da empresa foi marcada por conquistas e investimentos no desenvolvimento, saúde e segurança da equipe e em projetos sociais e ambientais.

Homens contratados por mulher suspeita de encomendar morte do marido em SC cavaram cova durante churrasco, diz polícia

Edinei da Maia foi encontrado morto enterrado, com as mãos amarradas, em Canelinha, quatro meses após desaparecer.

Bezerro é içado após cair em poço de 6 metros de profundidade em Florianópolis

Resgate ocorreu em uma propriedade no bairro Rio Vermelho. Animal foi entregue ao proprietário.

SC tem 1,1 mil aparelhos bloqueados com o Celular Seguro em seis meses

Serviço foi criado pelo Governo Federal e tem como objetivo inibir roubos de smartphones