Geral

Pescadores dedicam dia para agradecimento às águas

A associação Colônia de Pescadores Z-33 mantém a pesca artesanal, patrimônio cultural de SC, nos municípios de Balneário Rincão e Jaguaruna.

Foto: Deize Felisberto

A pesca artesanal é uma atividade econômica reconhecida em Santa Catarina também como um patrimônio cultural. Na região Sul de SC, a associação Colônia de Pescadores Z-33 mantém esta tradição nos municípios de Balneário Rincão e Jaguaruna. Por este motivo, a entidade integra o Comitê da Bacia do Rio Urussanga e participa das deliberações a respeito da gestão de recursos hídricos. Um exemplo de identidade territorial com os ecossistemas aquático e marinho.

O dia 2 de fevereiro é uma das datas representativas para a classe por enaltecer Nossa Senhora dos Navegantes e Iemanjá, conhecidas como rainhas dos mares. Nesta época, pescadores levam oferendas dentro do barco até alto mar em forma de devoção. Em Balneário Rincão, a igreja na área central acolheu os pescadores para fortalecer a fé em momentos de agradecimento e orações voltados à padroeira, já que a classe diariamente enfrenta dificuldades na captura de pescado e na valorização da profissão.

A água é lugar de passagem e ponto de navegação e deslocamento. Carlos Diegues, no livro “A imagem das águas”, destaca que no universo da pesca também existe a evidência de significados simbólicos como o fato de ser fonte de saúde e cura dos males do corpo. A ideia é associada aos duelos que o pescador enfrenta com o mar, sendo ao mesmo tempo fonte de criação e destruição.

A obra também apresenta os significados múltiplos deste recurso hídrico em aspectos materiais e imaginários. Além de objeto de contemplação, a água é utilizada em cerimoniais sagrados e mitológicos, práticas agrícolas, cultivo de plantas e flores, fecundação da terra e campo científico.

Foto: Comunicação Prefeitura de Balneário Rincão

COLÔNIA Z-33

A Colônia de Pescadores Z-33 é composta por sete comunidades pesqueiras, chamadas de capatazias: Balneário Rincão, Balneário Barra Velha, Lagoa dos Freitas, Lagoa dos Esteves, Pedreiras, Balneário Torneiro e Balneário Esplanada. Estas comunidades pesqueiras artesanais estão localizadas no entorno de áreas urbanizadas dos municípios de Balneário Rincão e Jaguaruna, margeando as lagoas e os balneários e também em áreas mais afastadas do litoral.

De acordo com a presidência da associação, a Colônia de Pescadores Z-33 possui mais de dois mil associados. A pesca artesanal desenvolvida pelos pescadores é praticada de forma autônoma ou em regime de economia familiar, com meios de produção próprios ou mediante contrato de parceria, utilizando métodos simples de captura e pouca capacidade de armazenagem do pescado capturado.

A frota pesqueira da Colônia Z-33 possui mais de dez embarcações de pequeno porte e botes infláveis. Os pescadores praticam a captura do pescado basicamente no mar, utilizando como modalidades de pesca, canoas, redes de arrasto, de corrico, de pandorga, de calão, tarrafas e espinhéis.

Um diagnóstico trouxe alguns indicadores confiáveis e válidos da qualidade da água e dos sedimentos da bacia do rio Urussanga, que vão repercutir na quantidade e qualidade da unidade do recurso, ou seja, o pescado. Diante da contaminação da água do rio Urussanga, os dados contribuem para o reconhecimento da escassez do pescado tanto no rio, quanto em algumas lagoas.

Colaboração: Comunicação Comitê Rio Urussanga 

Notícias Relacionadas

Pescadores fecham a ponte do Camacho, em Jaguaruna, por duas horas

Corpo é encontrado boiando no mar, próximo ao Farol de Santa Marta

Corpo de Bombeiros de Laguna tenta, desde às 06h40min deste domingo (28), resgatar o cadáver em meio ao mar revolto.

Botos símbolo de Laguna correm risco de extinção

Terminal Pesqueiro de Laguna: recurso de R$ 1,5 milhão é anunciado para obras da fábrica de gelo