Geral

Pescaria Brava: A cidade mais jovem do Brasil

O município do litoral catarinense foi o último a ser emancipado no Brasil. O processo ocorreu junto ao de Balneário Rincão.

Divulgação

Há um ano e três meses, em uma das visitas a seu município natal, Aderbal Izidro percebeu que o centro de Pescaria Brava parecia uma cidade fantasma.

Entre as poses para as fotografias tiradas na porta da Igreja Senhor Bom Jesus do Socorro e o descanso para conversar com a neta Luiza, o ex-morador, de 62 anos, observou que o vai e vem de pessoas havia diminuído.

No lugar do agito das festas pré-carnavalescas e dos cortejos religiosos, o silêncio impera no Centro Histórico de Pescaria Brava.

O município do litoral catarinense foi o último a ser emancipado no Brasil. O processo ocorreu junto ao de Balneário Rincão.

Por ordem de registro, Pescaria Brava, que até então era considerada um distrito de Laguna, foi emancipada primeiro e tornou-se a cidade brasileira mais jovem. Na próxima sexta-feira (25), o município completa 7 anos.

Embora a emancipação trouxesse a sensação de pertencimento aos moradores, a administração pública passou a enfrentar problemas financeiros.

Por quatro anos seguidos, a cidade teve suas contas rejeitadas pelo TCE-SC (Tribunal de Contas de Santa Catarina), pois o município gastou mais do que arrecadou.

Além disso, o poder municipal descumpriu a Lei de Responsabilidade Fiscal ao destinar mais de 54% do orçamento a gastos com folha de pagamento de servidores.

A dificuldade financeiro do município recém emancipado no Sul de Santa Catarina, perto do litoral, não é única e reflete uma condição recorrente no Brasil.

Dos 5.570 municípios brasileiros, 1.872 não conseguem se manter sem repasses de verbas federais e estaduais, segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A migração da população também é um problema. Com o passar dos anos, bairros mais próximos aos municípios vizinhos se tornaram mais populosos em Pescaria Brava, deixando o Centro Histórico da cidade cada vez mais vazio e reservado aos moradores mais antigos. Sem museus, opções gastronômicas e serviços modernos, o local ficou abandonado.

Com informações do site ND Mais

Notícias Relacionadas

São Ludgero realiza eventos para cidadãos conhecerem os serviços e benefícios sociais disponibilizados na cidade

Os eventos explanarão sobre os direitos sociais para pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica

Município de Armazém terá de assumir administração dos caóticos cemitérios da cidade

A decisão de comarca local foi confirmada pela 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina

Saúde de Jacinto Machado alerta para que viajantes passem por triagem ao retornar à cidade

Com dois casos de coronavírus confirmados, ambos em pessoas que viajaram para fora do município, a iniciativa visa conter a proliferação do vírus e também dar segurança ao viajante que retorna para sua família.

Campanha Inverno Jovem Solidário arrecada doações, em Orleans

Interessados podem doar roupas, sapatos, cobertores, alimentos etc. Ação é promovida pelo Setor da Juventude da Paróquia Santa Otília.