Saúde

Pfizer perde eficácia mais rápido que AstraZeneca contra variante delta, diz estudo

Cientistas examinaram amostras de quase 700 mil pessoas imunizadas com ambas as vacinas

Divulgação

Um estudo da Universidade de Oxford identificou que a vacina contra Covid-19 da Pfizer perde eficácia mais rápido do que o imunizante da Astrazeneca contra a variante Delta. Entre dezembro de 2020 e agosto de 2021, cientistas examinaram amostras de quase 700 mil pessoas imunizadas com ambas as vacinas.

Para as infecções com carga viral elevada, uma pessoa que recebeu a segunda dose da Pfizer um mês depois estava 90% mais protegida contra a variante Delta do que uma pessoa não vacinada. O percentual cai para 85% dois meses depois, e 78%, três meses depois, apontou a pesquisa.

Paralelamente, as pessoas que receberam as duas doses da AstraZeneca estão protegidas em 67% um mês depois; 65%, dois meses depois; e 61%, três meses depois.

Após quatro ou cinco meses, o nível de proteção oferecido pelas duas vacinas é similar, segundo o estudo, que ainda não passou por uma revisão.

Estes dados “representam um retrocesso” da eficácia da vacina da Pfizer, explicou o doutor Koen Pouwels, que participou do estudo, enquanto que, para o imunizante da AstraZeneca, “as diferenças (entre um mês e outro) são mínimas, ou seja, pode não existir nenhuma mudança na proteção”.

Ele insistiu em que, “apesar da leve queda do nível de proteção, a eficácia global (das duas vacinas) continua sendo muito elevada”.

O estudo coincide com a notícia de que vários países, entre eles o Reino Unido, pretendem iniciar uma campanha para aplicar uma terceira dose de reforço da vacina contra a covid-19.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Primeira onda da covid-19 deve acabar em outubro, diz estudo da UFF

Hemisfério Norte deve ter novos casos com a chegada do inverno

Pandemia acelera mudança no trabalho de humanos para robôs, diz estudo

Covid-19 impulsiona a chegada do trabalho do futuro, revela pesquisa

Pandemia revela desigualdades raciais, diz estudo

Publicação foi elaborada por pesquisadoras da Fiocruz e Uerj

Reinfecção por Covid-19 é improvável durante seis meses, diz estudo

Dado foi apresentado como resultado de estudo da Universidade de Oxford