Segurança

Polícia Civil deflagra a Operação “Bioma” em combate ao tráfico de animais silvestres em SC e dois Estados

Divulgação

A Polícia Civil de Santa Catarina deflagrou a Operação “Bioma” na manhã desta segunda-feira,23, para combater crimes contra a fauna. A ação é da Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais (DRCA) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC).

A operação decorre de investigação sobre grupo criminoso que se dedica ao tráfico de animais silvestres, os quais são retirados indevidamente de seu habitat natural para abastecer e sustentar o comércio ilegal.

Estão sendo cumpridos 25 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisões temporárias expedidos pela Justiça nos Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo, tendo como alvos, em tese, comerciantes irregulares, intermediadores, caçadores, fomentadores do tráfico animal e encarregados de falsificar anilhas e documentação.

As diligências estão ocorrendo simultaneamente em 15 cidades. Em Santa Catarina, nas cidades de Itajaí, Itapema, Penha, Biguaçu, Antônio Carlos, Tijucas, Balneário Camboriú, Joinville, Timbó, Guabiruba e Blumenau. No Estado do Rio Grande do Sul em Arroio Grande e Rio Grande. No Estado de São Paulo em Osasco e em São Paulo.

O tráfico e o comércio ilegal de animais

Trata-se de um mercado altamente nocivo à fauna brasileira, que movimenta volumosos valores, atrai aqueles que pagam para ter animais e aves raras a qualquer custo, perdendo apenas para a movimentação financeira do tráfico de drogas e de armas.

Animais de várias espécies, principalmente aves, vindos de diversos Estados, além daqueles que são capturados em Santa Catarina, alimentam o mercado ilícito de animais silvestres. São utilizados pelos criminosos documentos e anilhas falsas para dar uma aparência de licitude à atividade comercial.

Além da captura ilegal, dos maus tratos e mortalidade durante o transporte, da comercialização por preços altos, das fraudes contra compradores, o mercado irregular de animais e aves silvestres traz um prejuízo enorme ao meio ambiente, uma vez que a retirada destes animais de seus habitats naturais e sua manutenção em ambiente doméstico gera desequilíbrios aos ecossistemas de origem.

Ainda, são comuns os casos de aquisição e posterior abandono do animal em meio ambiente inadequado, devido à dificuldade no trato e adaptação ao novo meio, gerando um novo problema ambiental e mais sofrimento aos animais.

Apoio e integração

Durante a operação, a Polícia Civil de Santa Catarina teve o apoio da Polícia Civil de São Paulo, da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, do Instituto do Meio Ambiente de SC (IMA) e do IBAMA.

Crimes

Os envolvidos poderão responder por crimes de associação criminosa, maus tratos a animais, caça de espécies da fauna silvestre, falsidade documental entre outros delitos.

Denuncie

Denúncias sobre tráfico de animais podem ser feitas por meio do número 181 da Polícia Civil.

Notícias Relacionadas

Coronavírus em SC: Matriz de Risco aponta nove regiões em estado gravíssimo e sete em nível grave

A matriz classifica nove das 16 regiões de saúde catarinenses como em alerta gravíssimo (cor vermelha) para transmissão do novo coronavírus

Vacinação contra o coronavírus começa em Laguna

A primeira a receber a aplicação, foi a senhora Lealcina da Silva Lopes, de 98 anos

Capivari de Baixo: técnica em enfermagem é a primeira a ser vacinada

A aplicação ocorreu nesta quarta-feira (20) pela manhã

Renata Joaquim foi a primeira funcionária da saúde que recebeu a vacina contra Covid-19 em São Ludgero

Técnica em Enfermagem, Renata Joaquim, de 51 anos, foi a primeira funcionária pública de São Ludgero com atuação a mais de 27 anos na área da saúde