Serra

Polícia Civil deflagra operação de combate a fraudes pela internet

Os suspeitos utilizavam páginas na internet para comercializar produtos da Apple por um valor abaixo do de mercado, em especial celulares Iphones.

Foto: Divulgação/Polícia Civil

A 2ª Delegacia de Polícia de Lages, com o apoio das demais Delegacia da cidade, realizou, na manhã desta quarta-feira (21), operação de combate a fraudes cometidas pela rede mundial de computadores (internet). As informações são do Portal Notisserra.

Foi dado cumprimento a seis mandados de busca e apreensão, em quatro bairros da cidade, além da apreensão de 10 computadores, 10 celulares e condução de 12 pessoas até a Delegacia de Polícia para prestar esclarecimentos.

Os suspeitos utilizavam páginas na internet para comercializar produtos da Apple por um valor abaixo do de mercado, em especial celulares Iphone. Contudo, mesmo após concretizada a transação e realizado o pagamento, esses aparelhos nunca eram entregues às vítimas.

As investigações tiveram início após uma pessoa ter noticiado que adquiriu dois celuares Iphone, pela quantia R$ 5.735,00, realizando o pagamento mediante depósitos bancários. Mesmo após a quitação do valor total os celulares nunca foram entregues, e a vítima não conseguiu mais contato com os golpistas.

O valor e a quantidade de pessoas lesadas ainda é indeterminado, embora se saiba que as vítimas estão espalhadas por todo o país.

Notícias Relacionadas

Índices de crimes caem bruscamente em Orleans

Segundo dados divulgados pela Polícia Civil, houve redução de 300% dos crimes de roubo e quase 30% do número de furtos.

Serra registra mínima de -8°C e pelo menos 17 cidades de SC têm temperaturas negativas; FOTOS

Menor temperatura foi registrada em Urupema. Pelo menos outras 16 cidades do estado haviam registrado temperaturas negativas, segundo a Defesa Civil, neste domingo (4).

Com temperatura negativa, Serra tem até ‘boneco de geada’

Quase metade do planeta ainda não tem acesso à internet, aponta estudo

A informação é apresentada e discutida no relatório “Estado da Banda Larga 2019”, da Comissão de Banda Larga, grupo que reúne representantes de empresas e das Nações Unidas.