Geral

Polícia investiga venda e uso de cerol na região

A linha com cerol, utilizada em pipas e proibida por lei em Santa Catarina, foi encontrada por um morador de Capivari de Baixo.

Divulgação

A linha com cerol, utilizada em pipas e proibida por lei em Santa Catarina, foi encontrada por um morador de Capivari de Baixo. Ontem, a Polícia Civil da cidade esteve em um comércio para investigar uma denúncia de comercialização de cerol e linha chilena (quatro vezes mais cortante que o cerol) na cidade.

De acordo com o delegado Vandilson Moreira da Silva, não foi encontrado nada no comércio denunciado. “Porém, no decorrer da semana, vamos realizar mais diligências. O uso e venda dos itens são crime”, alerta o delegado. O material cortante já fez duas vítimas fatais no Estado.

Em Capivari de Baixo, a linha encontrada pelo motociclista Jonatan Cardoso estava pendurada sobre fios em frente à sua residência, no bairro Caçador. O morador conta que estava caminhando com a esposa, no domingo, quando percebeu a linha. “Como ando de moto, fico sempre de olho. Sei que esse material pode provocar cortes profundos, e até mesmo, dependendo da gravidade da lesão, levar à morte. Por isso, rapidamente recolhi a linha”, descreve.

Jonatan conta que acredita ser uma linha conhecida como ‘chilena’. “Fiz um teste e passei a linha em uma árvore pequena. Ela cortou como uma faca afiada. Com medo, recolhi e joguei fora, para que ninguém pudesse ter acesso. Isso é capaz de provocar uma tragédia, e precisamos ficar em alerta”, completa o morador.

De acordo com o comandante da Polícia Militar em Capivari de Baixo, o tenente Allan Wiggers, até o momento nenhuma ocorrência foi registrada pela guarnição. “No entanto, fica o alerta: se alguém ver que está sendo feito o uso de cerol, que a PM seja acionada através do 190. Precisamos impedir antes que algo pior aconteça”, fala o comandante.

Uso pode caracterizar crime

Além de ser proibido o uso do material por lei, o comandante da PM esclarece que, dependendo do caso, pode ser caracterizado como crime, “quando houver perigo para vida ou saúde do outro”, destaca Wiggers. A pena para o crime é de três meses a um ano de detenção.

Com informações do Jornal Diário do Sul 

Notícias Relacionadas

PRF prende quadrilha especializada em furto de roupas em shopping centers na região de Tubarão

Os suspeitos confessaram que furtaram as roupas de lojas da região no final de semana e estavam indo vender as roupas em Tubarão.

Pedreiro de cemitério condenado por enriquecimento ilícito e venda casada de serviços em Urussanga

Os fatos aconteceram entre 2010 e 2012, quando o homem era responsável pela gestão do Cemitério Municipal de Urussanga

Polícia prende em SC quadrilha que fazia documentos falsos para foragidos da Justiça

Com novas identidades, criminosos conseguiam viver normalmente em Sombrio.

Juíza de Sombrio prega uso de inovações tecnológicas para acelerar adoções

Magistrada participou de evento sobre boas práticas de adoção em Brasília.