Geral

Policiais fazem parto de bebê de mulher em situação de rua em canteiro de avenida de Florianópolis

Recém-nascido é um menino. Parto ocorreu na Avenida Gustavo Richard, no Centro.

Divulgação

Policiais fizeram o parto do bebê de uma mulher em situação de rua na manhã deste domingo (25) em Florianópolis. O recém-nascido é um menino. O parto ocorreu no canteiro da Avenida Gustavo Richard, no Centro.

A Polícia Militar Rodoviária (PMRv) foi chamada por volta das 9h30 por um motociclista. Ele disse aos policiais que pedestres estavam tentando parar os veículos que passavam pela avenida em direção ao Continente.

Em seguida, os agentes foram ao local e entenderam a situação. Uma mulher em situação de rua estava em trabalho de parto. Os policiais chamaram os bombeiros, mas a criança começou a nascer no canteiro da avenida antes da chegada deles.

Diante dessa situação, um dos policiais rodoviários fez o parto.

“Ela [criança] demorou um pouco a chorar. Eu fiz uma manobra para desobstruir as vias aéreas dela, respiratórias, como boca e nariz, que tinham um pouco de mucosa da placenta e graças a Deus a criança chorou. Aliviou bastante a situação”, contou o policial militar rodoviário João Eduardo Pereira Cavallazzi, que fez o parto.
Os policiais pediram a camiseta de duas pessoas também em situação de rua que estavam no local para envolver o recém-nascido e protegê-lo do vento e frio. Conforme a PMRv, o objetivo era prevenir um choque térmico.

Em seguida, os bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegaram ao local.

Hospital

De acordo com a PM, a mãe da criança também passa bem. Ela estava sem documentos na hora em que entrou em trabalho de parto.

A mãe e a criança foram levadas ao hospital. “Apenas para uma verificação de praxe. Até porque ela não tem nenhum acompanhamento, é uma moradora de rua que só teve uma consulta médica com relação ao parto”, disse Cavallazzi.

‘Situação desesperadora’

O policial contou que esta não foi a primeira vez em que precisou fazer um parto de emergência. “Eu tive uma segunda [vez] situação no início do ano, na SC-401 [em Florianópolis], que uma moça e o marido pararam o veículo, que ela estava dando à luz uma criança também, e eu tive que fazer o parto no banco traseiro do veículo”, relatou.

“É uma situação desesperadora porque não sou treinado para isso”, disse Cavallazzi. Ele fez curso sobre o assunto.

“Parto era uma coisa que eu achava que nunca ia fazer, mas como é inerente à profissão policial, as situações acontecem, as pessoas querem o policial para que ele resolva. E a gente está aqui para isso. Quem veste uma farda sabe disso. Quem veste uma farda sabe que tem que ter essa pré-disposição a se dar em qualquer que seja a situação”, disse.
“Eu achei que não ia acontecer de novo e aconteceu de novo. Graça a Deus, deu tudo bem”, resumiu.

Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

Mulher é arremessada de carro em movimento após tentativa de estupro

A ocorrência foi registrada na manhã deste domingo (14) em Criciúma

Previsão indica novo ciclone e frio intenso na próxima semana; Dia dos Pais segue com sol na maior parte dos municípios

Meteorologista garante que novo ciclone ficará em segundo plano, mas que vai ajudar na manutenção do frio rigoroso

Mulher chama PM por denúncia de assédio em praça de Orleans

Acusado foi localizado, mas negou sequer conhecer a vítima. Ambos foram encaminhados à Central de Flagrantes de Criciúma

Oito apostas de SC levam a quina da Mega-Sena; veja de onde são os sortudos

Um jogo de sete números levou a bolada de R$ 29.636,36. Já os outros sete apostadores faturaram R$ 14.818,18 cada