Educação

Por que contar histórias para as crianças?

O gosto pela leitura começa já no ventre materno, quando os pais conversam com o bebê sobre coisas que ele encontrará ao chegar à luz.

Divulgação

A leitura é a mais poderosa arma para o desenvolvimento integral do cidadão, devendo ser um hábito a ser desenvolvido e cultivado desde a infância, porque é nessa fase da vida que todos os hábitos se formam, e a literatura infantil é o caminho que leva ao desenvolvimento da imaginação, emoções e sentimentos de forma prazerosa e significativa. É um hábito que não se adquire do dia para a noite.

O gosto pela leitura começa já no ventre materno, quando os pais conversam com o bebê sobre coisas que ele encontrará ao chegar à luz. A criança que cresce num ambiente onde o livro é presença constante, em que os pais demonstram interesse pela leitura, incorporará o hábito naturalmente. Esse processo continuará e será solidificado com a ida à escola, quando os professores exercerão papel fundamental na formação de bons leitores. Pais e educadores se unirão para, como mediadores, apresentarem o mundo da imaginação às crianças através dos livros e das histórias.

Li uma pesquisa que diz: “ler para os filhos, além de estimular um bom hábito, reforça vínculos, ajuda a desenvolver a inteligência e pode melhorar até a vida em família”. O simples fato de pai e mãe sentarem-se com o filho para ler um livrinho é um potente instrumento para o desenvolvimento infantil, uma vez que a leitura é decisiva para estimular a inteligência desde os primeiros anos de vida. Outro dado revelado pela pesquisa é que ler em voz alta para uma criança contribui para aguçar o raciocínio, forma futuros leitores e, dependendo da frequência e empenho dos pais, melhora as relações familiares, porque aproxima mais os filhos com a atenção individualizada, reduzindo até o mau comportamento, por sentirem-se valorizados e motivados. Se um adulto adora ouvir histórias, imaginem uma criança!

No entanto, para que esse processo flua produtivamente, faz-se necessário que os pais sigam algumas recomendações de especialistas no assunto, que aqui transcrevo resumidamente: sentar-se bem pertinho da criança ou colocá-la no colo para reforçar o contato com os pais e com o livro; interromper a leitura para conversar e deixar a criança questionar a história, enquanto os pais comparam as cenas fictícias com a vida real; apontar para as figuras repetindo os nomes, amplia e estimula o vocabulário; acompanhar a leitura com o dedo para que ela perceba que se dá de cima para baixo e da esquerda para a direita, um dos primeiros passos para aprender a ler; incentivar a curiosidade interrompendo de vez em quando a história para que a criança sugira sobre o que poderá acontecer.

Assim, desenvolver o hábito e o interesse pela leitura é um processo que inicia na tenra idade, aperfeiçoa-se na escola e continua pela vida inteira. É preciso que pais e professores acreditem que um livro, além de informar e ensinar, tem o poder de dar prazer e alegria à criança, mas para isso é preciso muito empenho e comprometimento, o que falta em grande parte das famílias e dos professores.

Notícias Relacionadas

Estado garantirá tratamento anual de R$ 2,7 milhões a criança de Laguna com AME, decide TJ

De acordo com os autos, a perícia médica comprovou que a criança, natural de Laguna, precisa do remédio e que inexiste, na rede pública de saúde, tratamento para a doença.

Por chineladas em criança de quatro anos, Tribunal de Justiça mantém condenação de padrasto em Criciúma

A criança possuía várias marcas pelo corpo, em regiões das pernas, costas e nádegas.

Cinco ficam feridos após colisão frontal na SC-108, em Cocal do Sul; VEJA VÍDEO

Entre as vítimas, uma criança que estava na cadeirinha em um dos carros. Rodovia está parcialmente interditada em função do resgate pelas equipes de socorro.

UniCesumar: melhor EAD do Brasil oferece cursos com desconto por tempo limitado em Orleans

São mais de 50 opções em cursos de graduação e pós-graduação, todos aprovados pelo MEC. Entre os mais procurados estão pedagogia, agronegócio e contabilidade.