Segurança

Preço da carne pode estar por trás do aumento nos casos de furto de gado em SC

Consumo de carne deve ser o menor nos últimos 27 anos. Ações sociais tentam garantir o minímo de proteína na mesa das pessoas

dIVULGAÇÃO

Pandemia, queda na renda e aumento dos preços podem ter se tornado uma combinação para explicar o crescimento no número de casos de furto de gado em Blumenau e cidades vizinhas. Antes tido como um crime incomum na região, o chamado abigeato passou a se tornar mais recorrente no Médio Vale do Itajaí nos últimos dois anos, mas principalmente em outubro e novembro passados. Com mais pessoas vivendo em situação de pobreza, esse pode ser o retrato da fome, aponta a polícia.

Dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública mostram que de janeiro a novembro de 2019 apenas dois casos de furto de gado chegaram ao conhecimento da polícia na região. No ano seguinte, com a realidade da Covid-19 e aumento do desemprego, esse número subiu para 10. Agora, apenas até o dia 18 do mês passado, no auge da alta do preço da carne, o total de registros chegou a 14. Metade desses somente num intervalo de 48 dias entre outubro e novembro.

Na última semana os casos continuaram a se repetir. Foram dois somente na segunda-feira (6), nas cidades de Rodeio e Indaial. Isso eleva a quantidade de furtos de animais para 16 durante este ano na região.

O delegado regional da Polícia Civil em Blumenau conta que esse tipo de crime é mais comum em regiões onde a produção de animais é mais forte, o que não é o caso do Médio Vale do Itajaí. O que se tem visto em Blumenau, Indaial, Gaspar, Pomerode, Rodeio e Rio dos Cedros – municípios em que os crimes ocorreram nos últimos dois meses – é o furto isolado de apenas um ou dois animais, frequentemente carneados ainda na propriedade onde eram criados. Nesses casos, os ladrões deixam as carcaças para trás.

— Pode ser um reflexo do preço que está a carne, aliado a uma região que tem ampla extensão rural, com pouco movimento de pessoas, locais ermos e baixo policiamento, o que facilita a ação furtiva. É uma explicação plausível — pontua o delegado regional Rodrigo Marchetti.

O crescimento do número de pessoas em situação de pobreza pode explicar, mas não justifica os atos. Furto é crime, com pena de dois a cinco anos de prisão. São casos registrados geralmente à noite, em áreas mais isoladas, o que dificuldade chegar aos autores. A Polícia Civil garante que apura os episódios para saber se o destino final dessa carne é a mesa de quem furta ou se está sendo revendendo a quem não tem condições de pagar o preço praticado nos açougues.

Segundo os dados recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a carne vermelha acumula alta de 30,7% em 12 meses. Na capital de Santa Catarina, por exemplo, se chegou a ver placa em um açougue destacando que osso de boi não era doado e sim vendido a R$ 4 o quilo.

Sem dinheiro, a população deixou de consumir o alimento. A prova disso está numa projeção da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento): o consumo de carne vai cair quase 14% neste ano, se comparado a 2019, antes da pandemia.

Realidade cruel

Dados de julho deste ano do Ministério da Cidadania apontam 355,6 mil pessoas vivendo em situação de extrema pobreza em Santa Catarina. É um número 17,8% maior do que havia em março de 2020, no início da pandemia. São cidadãos sobrevivendo com R$ 89 por mês ou R$ 3 por dia num cenário de inflação alta, onde não foi apenas o valor da carne que subiu, mas também o do gás de cozinha… Do arroz… Do feijão.

Se a realidade dos números por si só não impacta, é impossível não se comover com a realidade vista de perto por Márgara Hadlich, uma voluntária de Blumenau que mobiliza doadores garantir comida na mesa dos mais necessitados. Há uma década ela largou a carreira de atriz para ajudar o próximo e o que vê hoje é o prior cenário desde 2011.

Atualmente ela tem cerca de 8,5 mil famílias cadastradas, que ajuda com comida, produtos de higiene, limpeza, roupas e praticamente tudo o que as pessoas precisarem. Para isso, conta com uma corrente de doadores e também tira do próprio bolso. Não são poucos os relatos de fome. Há quem não tem simplesmente nada para colocar na mesa e que carne é arigo de luxo.

— As pessoas não comem carne. Comem os ovos que dou aqui. Eu dou duas ou três dúzias dependendo o tamanho da família e peixe em lata, que é o que ganho. Isso já acontecia antes, mas depois da Covid aumentou muito. Aí eles caçam no mato e comem. É uma realidade recorrente aqui — conta Márgara.

Notícias Relacionadas

Saúde lança nova versão da caderneta de saúde para crianças

Novo modelo será enviado aos estados e municipios até março

Cachoeira é interditada por tempo indeterminado após queda que matou jovem em SC

Leticia Silva Budal, de 20 anos, morreu após cair aproximadamente 50 metros dentro da cachoeira

SC tem 20 vezes mais pacientes em tratamento contra Covid do que no Natal

Em 25 de dezembro, estado tinha 1.987 casos ativos contra 45.915 de sexta-feira. SC enfrenta filas nos postos de saúde e unidades fechadas por causa do afastamento de profissionais da área.

Um ano de vacinação contra Covid-19 com início da imunização de crianças

A vacinação de crianças de 5 a 11 anos é a forma que SC celebra data