Política

Prefeito de Urussanga passa por novo julgamento

Hoje, Luiz Gustavo Cancellier poderá voltar a administrar o município

Divulgação

O prefeito afastado de Urussanga Luiz Carlos Cancellier terá a denúncia feita pelo Ministério Público Federal. Ele foi denunciado por má aplicação dos recursos públicos após operação da Polícia Federal em 20 de maio de 2021, no contrato da Prefeitura de Urussanga com a Caixa Econômica Federal para a realização de pavimentações no município. O julgamento será no TR4 de Porto Alegre.

O advogado Alexandre Barcellos João explica que caso a denúncia seja acatada pelos juízes irá virar processo e o prefeito vai responder até o julgamento final, mas também existe a possibilidade de a denuncia não ser aceita e ser arquivada. O advogado lembra que o prefeito também tem possibilidades de voltar a comanda o município, pois uma cautelar será julgada e poderá mantê-lo afastado ou então reintegra-lo.

Vale lembrar que o prefeito teve pedido de cassação na Câmara de Vereadores na segunda-feira, quando teve o processo arquivado e o mérito não julgado, abrindo a possibilidade de os vereadores fazerem novo pedido de abertura de Comissão de Investigação Processante (CIP). Após a sessão da Câmara de segunda-feira, o prefeito disse que vai aguardar a julgamento de hoje com tranquilidade.

Com informações do TNSul

Notícias Relacionadas

Empresa é condenada a pagar R$ 50 mil de indenização por danos morais

A decisão foi expedida pela 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Criciúma

Vizinho e mulher são presos por estuprar menina de 7 anos em SC

Polícia Civil diz que exame realizado na criança confirma violência sexual; homem de 53 anos é vizinho da vítima

SC investiga dois casos suspeitos de varíola dos macacos; veja o que se sabe

Investigação é realizada pelo Lacen (Laboratório Central de Santa Catarina); até o momento, são 37 casos registrados no país

Briga entre policiais em saída de balada termina em agressão e tentativa de calar vítima em SC

Um dia após as agressões, policial militar teria tentado "calar" vítima oferendo R$ 20 mil para evitar exame de corpo de delito, afirma homem em depoimento